terça-feira, 13 de janeiro de 2009

O QUE É E O QUE NÃO É APOSTASIA VIII

Apostasia é por princípio todo e qualquer afastamento do evagelho, porque a fé vem pelo ouvir do evangelho conforme Rm. 10:17 - "Logo a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo." A Palavra de Deus, e não do pregador, é que fura os ouvidos da víbora surda que é o pecador conforme Sl. 40:6 - "Sacrifício e oferta não quiseste; os meus ouvidos abriste; holocausto e expiação pelo pecado não reclamaste." Vê-se que Deus não exige qualquer sacrifício pelo pecado, mas apenas que se creia na Palavra d'Ele. O sacrifício suficiente e eficiente é o próprio Deus quem realiza por meio do seu Filho Unigênito e agora Primogênito dentre os mortos.
Sl. 58: 3 e 4 - "Alienam-se os ímpios desde a madre; andam errados desde que nasceram, falando mentiras. O seu veneno é semelhante ao veneno da serpente; são como a víbora surda, que tapa os ouvidos..." O homem é concebido em pecado e possui natureza pecaminosa desde o ventre da sua mãe. Os seus ouvidos estão tapados pela natureza pecaminosa de sorte, que, até para ouvir o evangelho e ter a fé despertada é necessário que Deus use de misericórdia e de graça para com ele. Então, por natureza todo homem é apóstata até que a graça salvadora de Deus o vivifique.
A questão fundamental é que a simples declaração das Escrituras não é pregação do evangelho, pois o evangelho é o poder de Deus para salvação de todo o que crê conforme Rm. 1:16 - "Porque não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego." Este 'todo aquele que crê' não são todos os homens, pois do contrário Deus teria falhado, visto que nem todos os homens creem. É para todo aquele que recebe a graça para ter os ouvidos abertos e ouvir com o espírito. É para todo homem enquanto multiplicidade de etnias, condições sociais e gênero. Observa-se inclusive que o verbo crer está no presente contínuo e não no infinitivo. Aquele que crê, crê e continua crendo!
I Co. 1:18 - "Porque a palavra da cruz é deveras loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus." Este evangelho que pode salvar total e cabalmente o pecador não é qualquer declaração das Escrituras. Ele é a 'palavra da cruz', entendendo que isto significa o que a cruz realiza no homem decaído. Sendo esta mensagem da cruz entendida pelo homem cujos ouvidos não foram abertos, como loucura, pois ela contraria tudo o que a religião comum afirma. A palavra da cruz possui uma contabilidade diferente do senso comum, porque para ganhar a vida eterna , o pecador deve perder a sua vida almática manchada pelo pecado conforme Lc. 9:24 - "Pois quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim, esse a salvará." Quando o homem pretende ser o salvador de si mesmo, como é o caso dos preceitos, regras e normas religiosas, ele perde a sua vida. Entretanto, quando o amor de Cristo age monergísticamente e misericordiosamente, o homem pecador acha a verdadeira vida, pois esta vida está escondida em Cristo conforme Cl. 3:3 - "... porque morrestes, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus." Então, sem morrer por inclusão na cruz com Cristo, não tem novo nascimento, não tem vida eterna e não tem salvação. Isto é evangelho que regenera, que abre os ouvidos e que reconduz o homem de volta ao coração de Deus. Tudo o que passa disto é anátema, apostasia do evangelho, engano, mentira religiosa.
A definição mais sintética do evangelho é a seguinte: "Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras." - I Co. 15:3. Não adianta querer fantasiar e inventar um evangelho que agrada ao homem no pecado, pois sem morrer e ressuscitar juntamente com Cristo não há como achar a vida eterna e abundante. Esta morte e ressurreição se apropria por fé conforme Jo. 3: 3 e 5 - "Jesus respondeu, e disse-lhe: na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Jesus respondeu: na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus." Ora, como o homem pode nascer do alto por conta própria? Se o nascimento é operado e operacionalizado por Deus, ao homem cabe apenas crer e até para crer é necessário a operação da graça de Deus conforme Ef. 2: 8 e 9 - "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie." É a graça que salva por intermediação da fé e, ambas são originadas em Deus e não no homem e suas obras de justiça própria, pois estas estão contaminadas pela natureza pecaminosa e não servem diante de Deus.

Nenhum comentário: