domingo, 9 de agosto de 2009

ESPÍRITOS ENGANADORES E RELIGIÕES ENGANADAS IV


I Pd. 5: 8 e 9 - "Sede sóbrios; vigiai; porque o Diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar; Ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo." O alerta do apóstolo Pedro é para que os regenerados sejam sóbrios e vigilantes. Sobriedade é um substantivo feminino derivado do adjetivo 'sóbrio' que quer dizer "moderado", ou "que não está sob o efeito de bebida alcoólica". Já vigiar é um verbo transitivo direto e significa "observar atentamente", "estar atento a", "atentar em". A razão de tamanho sobreaviso é o fato de o Diabo, o adversário dos eleitos, andar em volta, bramando como leão, buscando a quem possa tragar. Ele não pode tragar qualquer um, mas apenas aqueles os quais ele possa, ou seja, os que estão debaixo da sua jurisdição, a saber, do pecado. A maneira para tornar-se inalcançável pelo Diabo é a capacidade de resistir na fé as aflições. Percebe-se, pelo texto, que o Diabo está constantemente rondando por perto, fazendo muito barulho, e buscando a quem lhe dá ocasião. A única coisa que dá direito legal para que Satanás atue é o pecado, o qual produz os atos pecaminosos. Enquanto estes são o resultado objetivo daquele, aquele é a condição subjetiva que se originou na queda do homem no Éden. É a natureza pecaminosa não destruída na cruz que dá direito legal ao inimigo que ronda, brama e busca a quem possa enganar.
A visão que o Diabo é alguém feio, chifrudo, rabudo, bestial e deformado é originada nas lendas e crendices medievais, quando a igreja dominante mantinha os homens subordinados a ela pelo medo. Contrariamente, o Diabo é descrito como alguém muito bonito, inteligente e astucioso. Dele se diz: "e não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz." Ele não é um anjo de luz, mas se transfigura para enganar os cegos em seus entendimentos por conta da presunção de possuírem a verdade segundo a suas obras de justiça, e que não estão fiados e confiados na justiça eterna de Deus na cruz.
É do interesse do 'príncipe deste mundo' que não se dê crédito à sua existência; que sua figura é um mito; que sua lenda é utilizada como marionete de teatro mambembe; que sua lenda popular é o resultado da ignorância de camponeses analfabetos; que suas más ações são apenas um tabu religioso e impróprio em concerto ao século XXI, quando se fazem viagens pelo espaço sideral e o homem sonda e anda entre os corpos celestes. Portanto, a diplomacia conveniente a Satanás é a do anonimato. Nele, não crendo, a vítima torna-se presa mais fácil.
No filme 'Fim dos Dias' estrelado por Arnold Schwartzneger, como um policial de Nova Iorque, o Diabo lhe aparece no corpo de um banqueiro, propondo todas as soluções aos dramas deste policial afligido pela perda da esposa e da sua filhinha. Estas foram assassinadas por bandidos dentro de sua própria casa, quando estava ausente. O Diabo confronta tal perda com o fato de o policial ter sido íntegro e nunca ter recebido uma propina. Afirma, outrossim, que Deus é quem o abandonara, e, que, finalmente matara sua família. Propõe acordo, oferecendo em troca a possibilidade de fazê-lo encontrar-se com a família, contanto que se passasse para o seu lado. É exatamente este engano que Satanás realiza no mundo. Mostra que, quem é tirano e antidemocrático é Deus, e não ele. Por isso, há tantas ilusões oferecidas em forma de unções, doutrinas de prosperidade, curas, libertações, ministrações, etc. Satanás se apressa em oferecer coisas, enquanto Deus já resolveu o pecado antes dos tempos eternos imolando o Cordeiro que tira o pecado do mundo. O Diabo oferece soluções paliativas, Deus destrói o corpo do pecado na cruz. O Diabo mantém o homem na morte, Deus mata a morte do pecador na morte de Cristo e o faz ressuscitar ao terceiro dia.
Para ilustrar estas realidades pergunta-se: quem, entre Deus e o Diabo humilha e exalta o homem? Alguns respondem imediatamente: quem humilha é o Diabo e quem exalta é Deus. Todavia, é exatamente o contrário, Deus humilha os seus eleitos para os aperfeiçoar, enquanto o Diabo exalta o homem a fim de manter o seu orgulho, a sua arrogância apostatada para preservar a sua natureza pecaminosa longe da cruz. Assim, Deus humilha para purificar e trazer luz aos seus filhos gerados em Cristo, enquanto o Diabo exalta para satisfazer as naturezas decaídas inoculadas por ele mesmo desde o Éden.
A Cristo a majestade e o domínio perpétuo do universo.

Nenhum comentário: