sábado, 27 de abril de 2013

SOBRE O FIM DOS TEMPOS XXVI

Ap. 3: 7 a 13 - "Ao anjo da igreja em Filadélfia escreve: isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: conheço as tuas obras, eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, que ninguém pode fechar, que tens pouca força, entretanto guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome. Eis que farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não o são, mas mentem, eis que farei que venham, e adorem prostrados aos teus pés, e saibam que eu te amo. Porquanto guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para pôr à prova os que habitam sobre a terra. Venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, donde jamais sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, da parte do meu Deus, e também o meu novo nome. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas."
Ao ministrante da Igreja em Filadélfia Jesus, o Cristo se identifica agora como o santo, o verdadeiro, e o que tem a chave de Davi. Santo é um atributo exclusivo de Deus em sua triunidade. Verdadeiro, enquanto adjetivo é aquilo ou aquele que é conforme a realidade e os fatos. Neste caso é uma referência a Cristo como sendo real, concreto e autêntico Filho de Deus.  É também, por extensão de sentido, uma alusão à Cristo como o caminho, a verdade e a vida. A chave de Davi é uma referência ao poder de abrir e fechar a porta da salvação, neste caso, ao poder de Jesus, o Cristo. Ele é o descendente da mulher, oriundo da raiz de Jessé e da casa de Davi. No capítulo um ele tem a chave na mão, sendo esta chamada de 'chaves da morte e do inferno'. Is. 22:22 - "Porei sobre o seu ombro a chave da casa de Davi; ele abrirá, e ninguém fechará, fechará e ninguém abrirá." Tal poder é na esfera espiritual e não no âmbito histórico e temporal. Nada tem a ver com oportunidades de evangelizar, de crescimento de seitas e religiões cristãs, do aumento numérico de membros de igrejas institucionais e denominacionais. Estas, surgem e desaparecem historicamente, mas a obra de Deus permanece no tempo, independentemente das religiões humanas. Cristo mesmo é a porta, porque somente Ele pode vivificar os que estão mortos em delitos e pecados. Sendo Ele a porta única de acesso à eternidade, somente Ele possui a chave que abre e fecha esta porta, a saber, a passagem da morte para a vida. Ninguém mais pode abrir ou fechar a porta da salvação além de Jesus, o Cristo. Ele é porta,e, portanto, só ele tem a chave conforme Jo. 10: 7 a 9 - " Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: em verdade, em verdade vos digo: eu sou a porta das ovelhas. Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram. Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, será salvo; entrará e sairá, e achará pastagens."
A Igreja em Filadélfia é uma Igreja autêntica que nunca oscilou em sua fé e prática e vice-versa. Não recebeu qualquer forma de reprimenda, porque é fiel às Escrituras apesar de todas as investidas do espírito do anticristo por meio das doutrinas gnósticas, esotéricas e extáticas. O poder desta Igreja, diante da qual Deus coloca uma porta aberta e permanente está na sua fraqueza, ainda assim guarda a verdade, e a afirmação do nome de Jesus, o Cristo. Toda vez que uma pessoa individualmente ou uma religião inteira confia no seu próprio poder financeiro, na estratégia de marketing, na capacidade intelectual dos seus dirigentes, líderes e mensageiros, ela fracassa. Isto porque a sabedoria humana é contaminada pela natureza pecaminosa conforme Tg. 3:15 - "Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica." É uma sabedoria puramente terrena, psíquica e influenciada pelo Diabo. Por isto, o padrão de poder e força humana não serve para questões espirituais. São evangélicos sem o evangelho da cruz!
A fidelidade desta Igreja fará que os inimigos da cruz de Cristo se curvem a ela, pois verão manifesto a amor d'Ele nesta congregação. Esta é uma referência escatológica, ou seja, no fim dos tempos, quando houver grande tribulação. Guardar a palavra da perseverança é o equivalente a permanecer nos ensinos das Escrituras, ainda que o mundo inteiro os tenha abandonado, negado e perseguido. Guardar valores, costumes, regras, preceitos e normas aceitos por todos ou pela maioria é simples e fácil. A provação que a Igreja tipológica em Filadélfia e ao longo da história, equivale a grande tribulação que se espalhará pelo mundo todo um pouco antes do arrebatamento.
Finalmente, Jesus, o Cristo afirma à Igreja em Filadélfia que ele viria sem demora. Considerando que já se passaram quase 2.000 anos, fica evidente que é uma referência à sua segunda vinda para raptar a Igreja verdadeira antes do domínio completo de Satanás por meio do Anticristo e do Falso Profeta. Sem demora é a forma em que Cristo virá para levar os eleitos e regenerados e não o tempo da sua segunda vinda em relação a história da humanidade. Tal evento sobrenatural é mostrado em Dn. 12:1 e 2 - "Naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo; e haverá um tempo de tribulação, qual nunca houve, desde que existiu nação até aquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno."
Corroborando a tudo isto cita-se Lc. 21:34 a 36 - "Olhai por vós mesmos; não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e aquele dia vos sobrevenha de improviso como um laço. Porque há de vir sobre todos os que habitam na face da Terra. Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que possais escapar de todas estas coisas que hão de acontecer, e estar em pé na presença do Filho do homem."
À Igreja em Filadélfia são feitas diversas promessas gloriosas ao que vencer: será coluna no templo de Deus, receberá um nome divino, o nome da Cidade Eterna e o novo nome de Cristo. Também, a ela é dito para ouvir o que o Espírito diz às Igrejas. Ora, todas estas promessas dizem respeito à vida eterna em comunhão com Deus. Quanto à ordem para ouvir o que o Espírito Santo diz é comum a todas as igrejas, porque ele tem a missão de convencer o homem do pecado, da justiça e do juízo conforme Jo. 16: 8 a 11 - "E quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: do pecado, porque não creem em mim; da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais, e do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado." Também é função do Espírito Santo ensinar e guiar o novo nascido à toda a verdade conforme Jo. 16:13 - "Quando vier, porém, aquele, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas vindouras." É pena que grande parte dos religiosos são apenas 'igrejificados' e não convertidos, por isso, não ouvem o que o Espírito diz.
Sola Scriptura!

Nenhum comentário: