terça-feira, 11 de setembro de 2012

CONVERSANDO COM OSSOS SECOS

Ez. 37: 1 a 11 - "Veio sobre mim a mão do Senhor; e ele me levou no Espírito do Senhor, e me pôs no meio do vale que estava cheio de ossos; e me fez andar ao redor deles. E eis que eram muito numerosos sobre a face do vale; e eis que estavam sequíssimos. Ele me perguntou: filho do homem, poderão viver estes ossos? Respondi: Senhor Deus, tu o sabes. Então me disse: profetiza sobre estes ossos, e dize-lhes: ossos secos, ouvi a palavra do Senhor. Assim diz o Senhor Deus a estes ossos: eis que vou fazer entrar em vós o fôlego da vida, e vivereis. E porei nervos sobre vós, e farei crescer carne sobre vós, e sobre vós estenderei pele, e porei em vós o fôlego da vida, e vivereis. Então sabereis que eu sou o Senhor. Profetizei, pois, como se me deu ordem. Ora enquanto eu profetizava, houve um ruído; e eis que se fez um rebuliço, e os ossos se achegaram, osso ao seu osso. E olhei, e eis que vieram nervos sobre eles, e cresceu a carne, e estendeu-se a pele sobre eles por cima; mas não havia neles fôlego. Então ele me disse: profetiza ao fôlego da vida, profetiza, ó filho do homem, e dize ao fôlego da vida: assim diz o Senhor Deus: vem dos quatro ventos, ó fôlego da vida, e assopra sobre estes mortos, para que vivam. Profetizei, pois, como ele me ordenara; então o fôlego da vida entrou neles e viveram, e se puseram em pé, um exército grande em extremo. Então me disse: filho do homem, estes ossos são toda a casa de Israel. Eis que eles dizem: os nossos ossos secaram-se, e pereceu a nossa esperança; estamos de todo cortados."
A mente humana alienada da natureza de Deus segue invariavelmente uma lógica formal e experimental. Tudo quanto se insere no campo subjetivo e ilógico é rejeitado, seja direta, seja indiretamente. Esta é uma das razões porque a religião não serve aos propósitos de Deus. A religião é apenas uma mera tentativa do homem de reencontrar o paraíso perdido por suas próprias justiças, méritos e esforços. É a religação por meio de lógica com base na experiência dialética de causa e consequências. Eu faço isto e consigo aquilo, logo, eu me promovo na escala da evolução e chego ao estado de purificação e sublimação das contingências humanas. Tal raciocínio elimina Cristo, a cruz e a necessidade de morrer n'Ele para destruição do corpo do pecado conforme Rm. 6:6 - "... sabendo isto, que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado fosse desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado." A expressão velho homem equivale à nossa velha natureza pecaminosa herdada de Adão. Tal condição humana independe do homem aceitá-la ou não aceitá-la. A verdade não pertence ao homem!
Na esfera da experiência espiritual nada é lógico ou pode ser nivelado pelo crivo da lógica formal aceita e praticada pelo homem. Por esta razão é que, a verdade não é conhecida pela maioria dos homens, inclusive, os religiosos. Os seus sistemas de crenças foram desenvolvidos à revelia da verdade, visto que ela não é uma concepção, mas uma pessoa, a saber, Cristo. Nele o pecador eleito antes  dos tempos eternos é incluído para ganhar a sua vida pela experiência do nascimento do alto. Toda esta realidade é fruto da ação monérgica e soberana de Deus e independe de quaisquer atos ou ações do homem decaído. Nele não restou nenhuma bondade ou luz suficiente para reconduzi-lo de volta ao Criador. A religião arminiana tenta provar o oposto...
No texto de abertura vê-se uma dessas experiências estritamente no campo espiritual e da fé verdadeira. O profeta é conduzido a um vale de ossos secos e indagado se os tais ossos poderiam viver novamente, ele se omite de qualquer julgamento. Transfere a capacidade de juízo a Deus, obtendo de volta uma ordem: 'ande em torno dos numerosos ossos e profetize a eles', ou seja, os ossos ressequidos deveriam ouvir a Palavra de Deus. Ora, esta é a tarefa mais contraditória para um homem lógico: primeiramente falar a ossos secos, e, secundariamente dizer a eles para ouvir a palavra de Deus. Qualquer pessoa razoavelmente normal se sentiria ultrajada ao ter de manter  uma conversa com ossos secos amontoados em um vale quente e desértico. 
Deus vai mais além, e, diz: "eis que vou fazer entrar em vós o fôlego da vida, e vivereis." Para uma mente lógica é pouco provável que algo morto produza vida, visto que vida provém de outra vida, logicamente falando. Deus prossegue na sua parábola, dizendo: "e porei nervos sobre vós, e farei crescer carne sobre vós, e sobre vós estenderei pele, e porei em vós o fôlego da vida, e vivereis." A mente humana racional e relativizada imagina como poderia aparecer nervos, músculos, pele e alma vivente sobre ossos ressequidos. Qualquer homem razoavelmente inteligente se sentiria constrangido e ridículo na execução de uma tarefa dessas. 
Entretanto, o profeta Ezequiel obedece a ordem divina e pronuncia as palavras de Deus sobre os ossos. Alguns segundos depois ouve-se um reboliço, um retinir de ossos batendo em ossos que se ajuntam, recompondo os esqueletos. Os esqueletos são revestidos de tendões, músculos e pele, e, finalmente o espírito de vida procedente dos quatro cantos da Terra entrou neles e ficaram vivos. Aquele exército numeroso de homens ressuscitados se pôs de pé diante de Deus e do profeta. A lógica foi destruída pelo o que é ilógico, se concretizando na fé, porque lógica é horizontal e fé é vertical. Nisto se cumpre o que é dito em I Co. 1:18 e 19 - "Porque a palavra da cruz é deveras loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus, porque está escrito: destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a sabedoria e o entendimento dos entendidos."
Ora, aquele exército de mortos-vivos era a casa de Israel, e, por dupla referência profética, a Igreja formada por homens pecadores, mortos em seus delitos e pecados, mas que foram gerados novamente em Cristo conforme II Co. 5:17 - "Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." Alguém está em Cristo, quando é conduzido a Ele pela decisão soberana de Deus conforme Jo. 6:44 - "Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia." Uma vez eleito e predestinado à inclusão na morte de Cristo, este o atrai conforme Jo. 12: 32 e 33 - "E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim. Isto dizia, significando de que modo havia de morrer." Após destruir a natureza pecaminosa na sua morte, Cristo retorna à vida, trazendo consigo o regenerado conforme Ef. 2: 5 e 6 - "... estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo, pela graça sois salvos, e nos ressuscitou juntamente com ele, e com ele nos fez sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus...
Sola Scriptura!

Nenhum comentário: