quarta-feira, 29 de junho de 2011

ESPIRITO, ESPÍRITOS, E ESPIRITUALISMO XI

Is. 8: 19 e 20 - "Quando vos disserem: consultai os que têm espíritos familiares e os feiticeiros, que chilreiam e murmuram, respondei: acaso não consultará um povo a seu Deus? acaso a favor dos vivos consultará os mortos? A Lei e ao Testemunho! se eles não falarem segundo esta palavra, nunca lhes raiará a alva."
Há um adágio popular que diz: "a mentira é aquilo que mais se assemelha à verdade." Faz todo sentido esta afirmação, pois se a mentira não for ao máximo semelhante à verdade, como poderá convencer alguém? Da mesma forma, o mal nunca se apresenta com aparência de mal, pois do contrário espantaria as suas vítimas mais grosseiras no primeiro contato. Isto se aplica também aos comportamentos humanos, às doutrinas, sejam filosóficas ou religiosas. Quando um erro é muito óbvio é refutado e rejeitado imediatamente. Por isso, os ensinos do engano e do erro tomam, até certo ponto, postulados e fundamentos corretos. Em um dado momento, e sorrateiramente, são introduzidas as dissimulações. Por exemplo, para justificar a doutrina do sono da alma, apregoada por algumas seitas cristãs, as tais tomam o texto de Lc. 23:43 - "Respondeu-lhe Jesus: em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso." Após o malfeitor crucificado ao lado de Jesus ter solicitado a Ele que se lembrasse dele quando entrasse no seu Reino, o Mestre lhe respondeu com as palavras retromencionadas. Não há rodeios, o Senhor disse que no mesmo dia eles estariam juntos no paraíso. Entretanto, tais seitas afirmam o mesmo texto assim: "Respondeu-lhe Jesus: em verdade te digo hoje, que estarás comigo no paraíso." A simples mudança da preposição de lugar altera absoluta e totalmente a fala de Jesus. Por isso multiplica-se o erro pelo mundo, especialmente no cristianismo nominal e histórico. É um cristianismo sem Cristo!
II Tm. 4: 3 e 4 - "Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas." Uma doutrina é sã, quanto mais permanece intacta em relação à sua origem e fundamento. O problema do homem decaído é que ele é movido ao sabor dos desejos de agradar-se a si mesmo. Para tanto, procura reunir conhecimentos com base na sua própria luz e deposita em outros homens todas as suas esperanças. São estes os mestres e guias responsáveis pelo desvio da verdade e do retrocesso humano às fábulas, mitos e ocultismos esotéricos. Não se iluda, há hoje mais esoterismo e ocultismo dentro das igrejas do que fora delas.
Ap. 2: 24 - "Digo-vos, porém, a vós os demais que estão em Tiatira, a todos quantos não têm esta doutrina, e não conhecem as chamadas profundezas de Satanás, que outra carga vos não porei." O mensageiro da Igreja de Tiatira está alertando aos que não foram contaminados pelas doutrinas esotéricas e que, portanto, não tinham contato com as profundezas de Satanás, que eles não sofreriam outra carga de erro. Estas profundezas de Satanás eram seitas secretas mantidas por doutrinas esotéricas, as quais fingiam serem donas exclusivas das revelações sobrenaturais. Entretanto, tais revelações não eram de Deus, mas de Satanás. O esoterismo é exatamente a atitude doutrinária, pedagógica ou sectária segundo a qual certos conhecimentos relacionados com a ciência, a filosofia e a religião, não podem ou não devem ser vulgarizados, mas comunicados a um pequeno número de iniciados. Então, estas profundezas de Satanás são estas coisas ocultas, restritas, herméticas e enigmáticas que alguns valorizam e praticam como sendo grandes coisas. O pior destes erros é que são ministrados por demônios e espíritos caídos como se verdade fosse. As pessoas assimilam e tomam tais fábulas esotéricas como grandes ensinamentos, todavia, são caminhos de erro e de perdição.
A origem destes ensinos herméticos remontam aos primeiros tempos, quando os ancestrais da humanidade ainda viviam em estado de pureza conforme Gn. 3:4 e 5 - "Disse a serpente à mulher: certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que comerdes desse fruto, vossos olhos se abrirão, e sereis, como Deus, conhecendo o bem e o mal." Ora, se o próprio Deus havia dito ao homem que ele morreria caso comesse do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, porque uma simples serpente diria o contrário? Aí está as profundezas de Satanás, ou seja, se incorporar num animal, usando o seu corpo para trazer dúvida e desejos que levam o homem à incredulidade da primeira afirmativa. O objetivo de Satanás é fazer que, por meio de desejos, o homem adote aquilo que lhe parece mais agradável, mais racional e mais aceitável. A expressão: "... e sereis, como Deus, conhecedores do bem e do mal" é a chave esotérica, oculta e espiritualista mais profunda do golpe de Satanás. Sugere ao homem que ele poderá ser portador da mesma luz de Deus, mesmo com o pecado. Isto é lenda, mito e fábula!
Sola Scriptura!

Nenhum comentário: