domingo, 10 de abril de 2011

O PECADO, OS PECADOS, E O PECADOR IX

Jo. 8: 43 a 46 - "Por que não compreendeis a minha linguagem? é porque não podeis ouvir a minha palavra. Vós tendes por pai o Diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele é homicida desde o princípio, e nunca se firmou na verdade, porque nele não há verdade; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio; porque é mentiroso, e pai da mentira. Mas porque eu digo a verdade, não me credes. Quem dentre vós me convence de pecado? Se digo a verdade, por que não me credes? Quem é de Deus ouve as palavras de Deus; por isso vós não as ouvis, porque não sois de Deus."
O texto que abre este artigo é parte contextual de um intenso debate entre os judeus, especialmente líderes religiosos e Jesus Cristo. Eles o instigavam tentando desqualificá-lo como Messias e Salvador. Eles não podiam compreendê-Lo, e portanto, não podiam crer em sua pregação, porque estavam com os olhos cobertos por escamas e os ouvidos fechados por cera. Eles tinha religião demais e fé de menos. Assim acontece até o dia de hoje: por não poder crer, as pessoas preferem satanizar o que não lhes agrada ou satisfaz.
O pecador não compreende a linguagem da verdade, porque não possui fé. Visto que fé é dom de Deus e que é por ela que a graça é revelada e o pecador é vivificado. Portanto, enquanto Deus não age no coração do homem ele não pode crer naturalmente. Pode até ter religião, ser um bom cidadão, ser uma pessoa correta em termos morais, mas no tocante à salvação ainda é incrédulo.
Jesus foi direto e claro ao afirmar que aqueles religiosos tinham por pai o Diabo e que os seus corações estavam inclinados a satisfazê-lo, pois ele sempre foi homicida e incrédulo desde o princípio. Por esta afirmação, sem a necessidade de qualquer interpretação, conclui-se que Lúcifer já possuía a incredulidade em seu coração desde o princípio. Veja, não é que o Diabo teve a verdade e depois a perdeu. O texto diz que ele nunca se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Obviamente que é assim mesmo, visto que a verdade não é um conceito, mas antes, é uma pessoa conforme Jo. 14:6 - "Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." Este tem sido um dos maiores erros dos religiosos cegos: procurar a verdade em ritos, preceitos, regras e normas humanas. A verdade é uma pessoa e não um ritual ou uma doutrina.
Assim, quando em um homem prevalece o princípio da mentira ele é filho do Diabo e não de Deus. O único filho de Deus é Jesus, o Cristo. Os eleitos e regenerados foram feitos filhos de Deus por adoção conforme Jo. 1:12 e 13 - "Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus." Então, a todos quantos o receberam foi-lhes dado o título de filhos de Deus. Não foi dispensado a quem afirma que aceitou Jesus, porque nenhum pecador pode aceitá-Lo, antes, é Ele quem aceita o pecador. O nascimento regenerador é produto da vontade de Deus e não das ações humanas. Este é outro erro grosseiro que as igrejas incutem na mente dos seus seguidores, entretanto, as Escrituras ensinam exatamente o oposto. O homem não se faz filho de Deus, ao contrário, eles são feitos filhos de Deus pela graça mediante a fé, e tudo isto, é dom de d'Ele. Nada tem a ver com méritos e justiça própria, pois não há nenhum justo entre os homens decaídos.
Jesus termina mostrando que os pecadores jamais poderiam convencê-Lo do pecado, mas contrariamente, eles não podiam crer no que Ele estava pregando, exatamente por causa das suas naturezas pecaminosas. A palavra pecado no texto é uma referência ao pecado como incredulidade. Verdade e pecado são naturezas opostas em essência, logo, para que Cristo seja o Senhor, é necessário que o pecador seja reduzido a nada. Este processo se dá pela inclusão do pecador na morte de Cristo na cruz conforme Gl. 2: 19 e 20 - "Pois eu pela lei morri para a lei, a fim de viver para Deus. Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim."
Finalmente, e sem medo de errar, fica evidente que o pecado separa o homem de Deus, tornando-o filho do Diabo. Também é claro que os que foram eleitos ouvem a verdade, a saber, ouvem Jesus Cristo. Quem é d'Ele ouve, quem não é não ouve. Simples assim!
Os religiosos, que são cegos de nascença, sempre reagem a este ensino, dizendo que é falta de amor afirmar estas coisas. Entretanto, falta de amor é pregar a mentira que conduzirá o pecador ao inferno!
Sola Gratia!

Nenhum comentário: