terça-feira, 13 de abril de 2010

CRER INCONDICONALMENTE x CRER CONVENCIONALMENTE I


Hb. 11:1 - "Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se veem." Crer é um verbo oriundo do latim clássico 'credo' e disseminado pelo latim vulgar 'credere'. É um verbo transitivo direto e transitivo indireto. Significa nestes termos sintagmáticos: "tomar por verdadeiro, acreditar, confiar em, aceitar como verdadeiras palavras ou manifestações de, pensar, presumir; julgar". Crer é também um verbo intransitivo e é nesta acepção que nos interessa nesta instância, pois significa, neste caso, ter fé. Como intransitivo o verbo crer não aceita nenhum complemento, sendo suficiente em sua própria significação.
A definição bíblica para fé é o que está exposto no texto que abre este estudo. Então, a fé é o fundamento firme, a base, ou o que sustenta aquilo que ainda não existe, e, também, a certeza do que não é visível. Por si só, a fé é algo que foge absolutamente aos padrões objetivos da natureza humana. Contrariamente, o homem natural necessita ver para crer, enquanto, que, o padrão do cristianismo verdadeiro é o oposto, isto é, primeiramente se crê, para, só então ver experimentalmente. Este padrão está sucintamente colocado no texto de Rm. 4:17 - "...como está escrito: por pai de muitas nações te constituí perante aquele no qual creu, a saber, Deus, que vivifica os mortos, e chama as coisas que não são, como se já fossem." O contexto fala sobre a natureza da fé que teve Abraão, apenas com base na Palavra de Deus. Contrariamente às suas expectativas humanas, Deus, o instruiu a agir de modo oposto à sua promessa. Ao tempo em que havia prometido ser pai de uma grande nação, por meio de um filho, estando ele com mais de 90 anos e sua esposa sequer menstruava mais, depois lhe instrui que tomasse Isaque e o sacrificasse. Abraão, crendo, contra a sua esperança humana, mas confiando na esperança divina foi ao Monte Moriá. No local do sacrifício, Deus lhe manifestou o sentido de tudo e providenciou o substituto sacrificial em lugar de Isaque. Para Abraão, o que contava era a promessa e não a atitude de Deus. A fé não é circunstancial, mas incondicional.
O ensino do texto de Rm. 4:17, é que, para Deus, não há impossíveis, para Ele tanto faz a coisa existir ou não fisicamente. O que conta é o que Ele diz e não apenas se há o resultado do que Ele disse. Este texto ensina também que Deus leva o pecador morto em seus delitos e pecados para a cruz, e, nela, destrói o corpo do pecado, matando a morte do homem, na morte de Cristo, porque tal ato é por fé. Traz o eleito da morte espiritual à vida eterna e abundante por meio da ressurreição juntamente com Cristo. Este é o processo de passagem das trevas para a luz, a que alude o Senhor Jesus em Jo. 5:24 - "Em verdade, em verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não entra em juízo, mas já passou da morte para a vida."
Por todas estas razões estritamente espirituais é que, para o homem natural, estas coisas se constituem em matéria de loucura conforme I Co. 1: 18 e 19 - "Porque a palavra da cruz é deveras loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a sabedoria o entendimento dos entendidos." Os que perecem são todos os homens desde o dia em que veem a este mundo, pois a natureza pecaminosa os fazem nascer mortos para Deus e, consequentemente, experimentarão a morte física também. A palavra da cruz é conforme o registro de I Co. 15: 3 e 4 "Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras;que foi sepultado; que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras." A morte, o sepultamento e a ressurreição de Cristo é crível apenas pela fé nas Escrituras. Não basta um mero assentimento intelectual destes fatos! Então, ou se crê incondicionalmente para ganhar a vida de Cristo, ou se crê apenas convencionalmente para se iludir com uma religião humana.
Sola Fides!

Nenhum comentário: