domingo, 11 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA XLVIII

Mt. 24: 37 a 39 - "Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, apedrejas os que a ti são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e não o quiseste! Eis aí abandonada vos é a vossa casa. Pois eu vos declaro que desde agora de modo nenhum me vereis, até que digais: bendito aquele que vem em nome do Senhor."
Aquilo que os judeus rejeitaram quando veio o Messias, agora receberão por força da promessa de Deus feita à Abraão, e por conta da Sua fidelidade a Si mesmo. Vê-se pelo texto que os judeus rejeitavam profetas, os que foram a eles enviados, e o próprio Cristo. Neste sentido se cumpriu o que está em Jo. 1:11 - "Veio para o que era seu, e os seus não o receberam." A questão de receber, ou não receber a Jesus, nada tem a ver com livre arbítrio, ou cooperação com o Espírito Santo, como dizem os religiosos. Tem a ver com a vivificação produzida pela graça mediante a fé, sabendo-se que ambas são dons de Deus, e não méritos do homem. O homem natural rejeita tudo o que procede de Deus, porque a sua natureza pecaminosa é oposta a Ele. Aceita de bom grado apenas rituais, normas, preceitos, regras e religiões, mas não a verdade. Para tanto, é necessário a ação monérgica de Deus.
Ap. 14: 1 a 5 - "E olhei, e eis o Cordeiro em pé sobre o Monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que traziam na fronte escrito o nome dele e o nome de seu Pai. E ouvi uma voz do céu, como a voz de muitas águas, e como a voz de um grande trovão e a voz que ouvi era como de harpistas, que tocavam as suas harpas. E cantavam um cântico novo diante do trono, e diante dos quatro seres viventes e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil, aqueles que foram comprados da terra. Estes são os que não se contaminaram com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes foram comprados dentre os homens para serem as primícias para Deus e para o Cordeiro. E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis."
Agora a visão de João se transfere para a Terra. Cristo está em pé sobre o Monte Sião, onde está Jerusalém, onde também Abraão ofereceu o sacrifício de fé, e isto lhe foi imputado por justiça. Cristo é identificado como o Cordeiro em pé, indicando que morreu, mas está vivo para todo o sempre. Cristo não está só, mas tem em sua companhia 144.000 pessoas. É dito que eles têm em suas frontes o nome de Cristo e o nome de Deus. A eles foi ensinado um cântico novo, o qual só eles conseguiram aprender. Ainda é dito que os tais acompanham Cristo para onde quer que vá, são castos, irrepreensíveis, em suas bocas não se acha o engano, e também, que são as primícias para Deus e para o Cordeiro.
Estes 144.000 israelitas redimidos, não são vistos no céu, porque não morrem. Permanecem na Terra para servir ao "Grande Rei", quando do Seu retorno. Eles são castos, apontando para a sua fidelidade espiritual, e não necessariamente por não se terem mantido relações sexuais. O apóstolo Paulo faz uso desta mesma figura em II Co. 11:2 - "...pois vos desposei com um só Esposo, Cristo, para vos apresentar a ele como virgem pura." Ele está se referindo à Igreja em Corinto, formada por homens e mulheres, sendo alguns casados, outros não. Logo, o que está em tela não é questão sexual, mas espiritual. É dito que os tais 144.000 não se contaminaram com mulheres e que são virgens. Isto não quer dizer que não poderão ser pessoas casadas. As condições deste tempo futuro serão semelhantes ao tempo de Noé, antes de vir o dilúvio. No tempo de Noé, uma das questões que levaram Deus a mudar de ideia e destruir a humanidade foi a contaminação com mulheres. Jesus afirma que nos tempos finais as condições serão semelhantes aos dias de Noé. Então, pode ser que os israelitas redimidos sejam pessoas cristãs autênticas e verdadeiras no modo de viver. A castidade neste texto se refere a não se contaminar com a idolatria, com doutrinas de demônios, com heresias gnósticas.
É declarado que os 144.000 são as primícias para Deus e para o Cordeiro, a saber, Cristo. Assim como Jesus, o Cristo foi o Primogênito dentre os mortos, e a primícia dos que ressuscitaram, estes serão as primícias dos judeus que serão redimidos e permanecerão na Terra para servir ao Grande Rei. Formam uma espécie de comissão especial que recepcionará ao Senhor Jesus, o Cristo quando Ele retornar para tomar posse definitiva da Terra, e para restaurá-la. São eles as primícias, ou o remanescente dentre os judeus. 
Gloria in excelsis Deo!

Nenhum comentário: