sábado, 2 de julho de 2011

ESPÍRITO, ESPÍRITOS, E ESPIRITUALISMO XII

Is. 8: 19 e 20 - "Quando vos disserem: consultai os que têm espíritos familiares e os feiticeiros, que chilreiam e murmuram, respondei: acaso não consultará um povo a seu Deus? acaso a favor dos vivos consultará os mortos? A Lei e ao Testemunho! se eles não falarem segundo esta palavra, nunca lhes raiará a alva."
Quando o homem caiu em pecado foi desligado da comunhão que possuía com Deus conforme Gn. 2:17 - "... porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás." A morte no sentido do texto original é um processo de separação de naturezas. A isto dá-se o nome de morte espiritual, ou seja, o seu espírito ficou limitado, não podendo se comunicar com o Criador, porque está corrompido. Esta é a morte que Cristo veio destruir e, por meio da inclusão do pecador em Sua morte de cruz, e a Sua consequente ressurreição, vivifica o espírito mortificado do homem. A isto dá-se o nome de regeneração, nascimento do alto, ou mesmo como alguns preferem, novo nascimento. Muitas pessoas imaginam que a regeneração ocorre quando alguém abandona os caminhos do mal e passa a praticar o bem; ou quando procura uma crença. Entretanto, não é assim que ensinam as Escrituras. Quem ensinam essas coisas humanistas e horizontais são os religiosos. Tal ensino é ruim, porque cria na mente do religioso iludido uma presunção de salvação que não existe. Fazer o bem e se afastar do que é mal, é uma obrigação moral de qualquer homem sem que isto lhe contabilize mérito ou justiça própria.
Uma vez vivificado o espírito e restabelecida a comunhão com Deus por meio do Seu Filho Unigênito, o pecador regenerado passa por um intenso processo de purificação, que é a preparação para a restauração final, quando o "Grande Rei" retornar. A questão da intermediação de Cristo fica muito clara em I Tm. 2: 5 e 6 - "Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, o qual se deu a si mesmo em resgate por todos, para servir de testemunho a seu tempo." Ora, se as Escrituras afirmam que há um só mediador entre Deus, o Pai, e os homens, porque inventam estes espíritos intermediários entre vivos e mortos? O Mediador perfeito e justo é Jesus, o Cristo que possui duas naturezas em uma única pessoa: como o Cristo é anterior ao próprio mundo, tendo este sido feito por Ele; como Jesus é o receptáculo físico no qual encarnou o Cristo para que se cumprisse tudo quanto d'Ele estava previsto em Isaías 53. As Escrituras afirmam que, quando Deus pretendeu se comunicar com os homens, Ele o fez por diversas maneiras, mas agora é apenas por meio de Seu Filho Jesus, o Cristo conforme Hb. 1:1 a 5 - "Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias a nós nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, e por quem fez também o mundo; sendo ele o resplendor da sua glória e a expressa imagem do seu Ser, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo ele mesmo feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade nas alturas, feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles. Pois a qual dos anjos disse jamais: tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: eu lhe serei Pai, e ele me será Filho?"
Então, o que ensinam as Escrituras é que Jesus, o Cristo é o único filho de Deus; que é o resplendor da glória d'Ele e a expressa imagem do seu Ser. Ensina, ainda, que Cristo sustenta todas as coisas pela palavra e não por experiências sensitivas; que Ele purificou os pecados dos eleitos e regenerados; que está assentado à direita do Pai e que é superior aos anjos e que herdou mais excelente nome do que estes. Ensina, ainda, que Cristo foi gerado como Filho de Deus e não os anjos, ou qualquer outra criatura; e que a relação entre eles é de Pai e Filho. Logo, como pode qualquer doutrina humana e humanista ensinar diferentemente, dizendo que todos são filhos de Deus e que Jesus é a apenas um espírito evoluidíssimo e que há outros espíritos iluminados que interferem na Terra? As Escrituras não ensinam isto, portanto, ninguém está autorizado a criar uma doutrina por conta própria neste sentido. Sabe-se com base no capítulo 1 do evangelho de João, que os pecadores regenerados são feitos filhos de Deus por adoção, por meio de Cristo. Todos os homens são apenas criaturas, podendo serem feitos filhos de Deus por misericórdia e graça d'Ele mesmo e não por evolução, meritocracia e justiça própria. Isto é o que Satanás quer que os pecadores pensem!
Sola Fidei!

Nenhum comentário: