sexta-feira, 27 de maio de 2016

IGREJA, CONGREGAÇÃO E CORPO DE CRISTO II

Ez. 33: 30 a 33 - "Quanto a ti, ó filho do homem, os filhos do teu povo falam de ti junto às paredes e nas portas das casas; e fala um com o outro, cada qual a seu irmão, dizendo: vinde, peço-vos, e ouvi qual seja a palavra que procede do Senhor. E eles vêm a ti, como o povo costuma vir, e se assentam diante de ti como meu povo, e ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra; pois com a sua boca professam muito amor, mas o seu coração vai após o lucro. E eis que tu és para eles como uma canção de amores, canção de quem tem voz suave, e que bem tange; porque ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra. Quando suceder isso (e há de suceder), saberão que houve no meio deles um profeta."
Como já comentado no estudo anterior, é perfeitamente possível haver uma agregação ou ajuntamento de pessoas em nome de uma determinada crença, ordem filosófica ou ideologia, mas isto pode não ter qualquer vínculo espiritual e congregacional. A Igreja bíblica é aquela instituída por Cristo conforme o registro de Mt. 16:18 e 19 - "Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares, pois, na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado nos céus." Pedro não é a rocha sobre a qual a verdadeira Igreja foi edificada, mas é apenas uma das pedrinhas com as quais tal Igreja foi e é edificada até que o Grande Rei retorne. O texto original grego deixa isto bem claro quando diz: "... tu és Pedro...", ou seja, você é 'petros', uma pedrinha. Na sequência o Cristo diz: "... e sobre esta pedra...", ou seja, sobre esta rocha edificarei a minha Igreja. No texto grego koinê Pedro é "petros", enquanto Cristo é "petra." A diferença é que "petros" é pedrinha ou fragmento de pedra e "petra" é rocha firme. Logo, Jesus, o Cristo não afirma que Pedro é a rocha sobre a qual a Igreja seria edificada, mas que Pedro era apenas uma pequena fração desta edificação. Também, o pronome demonstrativo "esta" indica que Jesus, o Cristo se referia a si mesmo e não a Pedro. Caso a referência fosse a Pedro teria utilizado o pronome "essa."
O próprio apóstolo Pedro nunca mencionou a si mesmo como a pedra sobre a qual a Igreja seria edificada. Ao contrário, apontou sempre que tal rocha é Cristo conforme I Pd. 2: 4 a 8 - "... e, chegando-vos para ele, pedra viva, rejeitada, na verdade, pelos homens, mas, para com Deus eleita e preciosa, vós também, quais pedras vivas, sois edificados como casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais, aceitáveis a Deus por Jesus Cristo. Por isso, na Escritura se diz: eis que ponho em Sião uma principal pedra angular, eleita e preciosa; e quem nela crer não será confundido. E assim para vós, os que credes, é a preciosidade; mas para os descrentes, a pedra que os edificadores rejeitaram, esta foi posta como a principal da esquina, e: como uma pedra de tropeço e rocha de escândalo; porque tropeçam na palavra, sendo desobedientes; para o que também foram destinados." Veja, nesta epístola, o apóstolo diz claramente: "... e, chegando-vos para ele..." e não: "e, chegando-vos a mim..." Outra vez diz: "... pedra viva, rejeitada, na verdade, pelos homens, mas para Deus, eleita e preciosa..." Desta forma fica evidente que não é uma referência a um homem, mas ao Cristo. No texto de Mateus é utilizado o termo 'petra' como sendo rocha. No texto petrino é utilizado o termo 'lithon', significando a mesma coisa. No verso oito Pedro utiliza, tanto 'litos', como 'petra', indicando a rejeição do Messias encarnado no homem Jesus e a rejeição do Cristo como Deus e redentor.
Novamente Pedro demonstra que Jesus, o Cristo é a Rocha Eterna em At. 4: 8 a 12 - "Então Pedro, cheio do Espírito Santo, lhes disse: autoridades do povo e vós, anciãos, se nós hoje somos inquiridos acerca do benefício feito a um enfermo, e do modo como foi curado, seja conhecido de vós todos, e de todo o povo de Israel, que em nome de Jesus Cristo, o nazareno, aquele a quem vós crucificastes e a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, nesse nome está este aqui, são diante de vós. Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta como pedra angular. E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos." Novamente, não se vê o apóstolo Pedro se auto-afirmando como sendo a Rocha Eterna, a qual é Cristo. Novamente foi utilizado o termo grego 'lithos' e não 'petros'.
O próprio Jesus, o Cristo se referiu à 'pedra angular' como sendo ele mesmo conforme Mt. 21:42 - "Disse-lhes Jesus: nunca lestes nas Escrituras: a pedra que os edificadores rejeitaram, essa foi posta como pedra angular; pelo Senhor foi feito isso, e é maravilhoso aos nossos olhos? Portanto eu vos digo que vos será tirado o reino de Deus, e será dado a um povo que dê os seus frutos. E quem cair sobre esta pedra será despedaçado; mas aquele sobre quem ela cair será reduzido a pó." Este povo a quem foi dada a graça para crer e receber a verdade é a Igreja verdadeira e não religiões humanas. No verso 43 Jesus mostra que os judeus perderiam a primazia da religião e dos oráculos. O fundamento da Igreja, a saber, a Congregação dos Justificados em Cristo pela inclusão na sua morte e ressurreição é formada pelos pecadores eleitos e regenerados. Não se trata de um ajuntamento de religiosos para buscar a salvação com base em preceitos, dogmas, méritos e esforços de justiça própria, como mostra no texto de abertura do estudo. Estes que assim se iludem, ajuntando-se ou agregando-se para ouvir uma mensagem como canção de amores, jamais verão a face do Grande Rei.
Solo Christus!

Nenhum comentário: