segunda-feira, 29 de setembro de 2014

OS SOBERBOS x OS MANSOS

At. 18: 24 a 26 - "Ora, chegou a Éfeso certo judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, homem eloquente e poderoso nas Escrituras. Era ele instruído no caminho do Senhor e, sendo fervoroso de espírito, falava e ensinava com precisão as coisas concernentes a Jesus, conhecendo entretanto somente o batismo de João. Ele começou a falar ousadamente na sinagoga: mas quando Priscila e Áquila o ouviram, levaram-no consigo e lhe expuseram com mais precisão o caminho de Deus."
Soberba é um substantivo feminino proveniente do latim 'superbia' ou 'superbiae'. O vocábulo traz as seguintes significações: altivez, orgulho, arrogância, presunção. Indica uma atitude em que o indivíduo se coloca a si mesmo em posição mais elevada à que de fato tem. Tal presunção faz que o soberbo não abra o filtro para averiguar e avaliar seus próprios princípios. Quando confrontado, geralmente, se fecha, ficando no ataque, ou na defesa. O soberbo lança mão dos argumentos que assimilou, geralmente de terceiros, os quais considera como única verdade plausível. 
Os mansos são aquelas pessoas, as quais consideram seus princípios, ideais, crenças e valores, porém, sem desconsiderar que podem apreender mais. São capazes de reconhecer erros e são dispostos a mudar para alcançar o que há de melhor. Manso é um adjetivo que caracteriza uma pessoa afável, sossegada, dócil, tranquila, serena. O termo provém do latim 'mansus' e de 'mansuetudinis' que é mansidão, brandura, bondade. 
Mt. 5:5 - "Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a Terra." No sermão da montanha Jesus, o Cristo afirma que os mansos herdarão a Terra. Mas, quanto aos soberbos é dito em Tg. 4:6 - "Todavia, dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos; dá, porém, graça aos humildes." Desta forma é revelado que é Deus mesmo quem resiste aos soberbos. Tremenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo. No 'magnificat' de Maria, a mãe de Jesus é dito que "...Deus dissipa os soberbos nos pensamentos dos seus corações." Tal processo começa, dando-lhes a oportunidade de ouvir a verdade. O modo como reagirão à verdade é que determinará o que está em seus corações: soberba ou mansidão.
O texto de abertura revela com clareza e sem qualquer interpretação, que, Apolo, natural da cidade de Alexandria era um homem eloquente e poderoso nas Escrituras. Isto quer dizer apenas que ele falava com desenvoltura e boa oratória e, que conhecia os textos sagrados. Nem mais, nem menos que isto! Também este judeu Apolo era instruído no caminho do Senhor e, sendo fervoroso no espírito falava e ensinava com precisão as coisas concernentes ao Senhor Jesus, o Cristo. Desta forma se pode apreender que Apolo havia recebido alguma instrução sobre os ensinamentos de Cristo e que era muito entusiasmado. Utilizava sua capacidade de comunicação para ensinar com precisão coisas que diziam respeito à pessoa de Jesus. É notório que muitos ateus podem fazer o mesmo ou melhor que Apolo. Tal capacidade é apenas didática, ou seja, a pessoa lê, estuda e entende um assunto e é capaz de reproduzi-lo aos outros.  Isto não implica, absolutamente, que houve qualquer experiência espiritual.
É demonstrado que Apolo recebeu ensino instrutivo e reprodutivo e apenas o batismo nas águas. Tal batismo era praticado por João, o batista nas águas do rio Jordão. Era uma prática comum no judaísmo como parte da lei cerimonial como oblação em água para purificação de pecados. Entretanto, o batismo de João era apenas um símbolo da morte e ressurreição de Cristo. Ao imergir em águas indica a morte e o sepultamento do pecador na morte de Cristo. Ao emergir das águas indica a ressurreição do regenerado com Cristo. Portanto, o batismo de João era apenas uma simbologia da morte e da ressurreição. Com base apenas nestas realidades Apolo tomou da palavra e falava ousadamente na Sinagoga dos judeus na cidade de Éfeso. Hoje se vê, por muito menos, pessoas se auto-intitulando de doutores em divindades, apóstolos e outros títulos a mais.
Todavia, Priscila e Áquila, membros da Igreja em Éfeso, o ouviu e percebeu, pelo espírito, que lhe faltava mais exatidão. Tomaram a Apolo,  e, conduzindo-o, possivelmente, à sua casa o instruíram com mais precisão, o caminho de Deus. Verifica-se que, em nenhum contexto das Escrituras se registra qualquer resistência de Apolo. Ele simplesmente recebeu com mansidão a orientação mais exata do caminho de Deus. Vê-se que Priscila e Áquila não lhe expôs os caminhos da religião, mas o caminho de Deus. Jo. 14:6 - "Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." Deus não tem diversos caminhos, como propõem os espiritistas e universalistas. O caminho de Deus não é um conjunto de preceitos, regras, normas ou leis. É uma pessoa, a saber, o seu próprio Filho Unigênito e Primogênito dentre os mortos. Caminho significa método, portanto, Jesus, o Cristo é o método de Deus para reconduzir o pecador eleito à comunhão eterna.
Apolo poderia ter se aferrado aos seus conhecimentos adquiridos de terceiros. Eram conhecimentos apenas descritivos ou narrativos acerca do caminho de Deus. Apolo não conhecia o próprio caminho de Deus, mas apenas coisas concernentes a ele. Este é o dilema da maioria dos religiosos dos tempos atuais: conhecem muito sobre a bíblia, sobre pregadores, sobre autores de livros, sobre músicas soberbamente chamadas de 'gospel'. De evangelho mesmo, a maior parte das tais músicas nada possui. Muitos religiosos possuem apenas conhecimento intelectivo sobre as Escrituras, sobre Cristo, sobre Deus, sobre igrejas. Usam os textos bíblicos apenas como uma espécie de auto-afirmação para manter suas posições conseguidas de homens. Tais religiosos são soberbos e inchados em seus conhecimentos. A primeira evidência desta pobreza de espírito é a forma em que reagem aos que os procuram para lhes fornecer algo a mais. Respondem com uma gama de textos bíblicos desconexos, com agressões e ofensas. Levantam dúvidas sobre o interlocutor para refutar sua mensagem. Este é um processo diabólico: desqualificar o pregador, imaginando com isto, desqualificará a mensagem. Ora, o pregador pode ser, absolutamente, desqualificado, atacado, xingado e ofendido, mas a mensagem jamais. Enquanto o pregador é homem sujeito a falhas, a mensagem é eterna e de origem divina. Portanto, é perda de tempo desqualificar o mensageiro imaginando que desqualificará a mensagem.
É natural que uma pessoa sem experiência de nascimento do alto reaja ao que lhe é estranho e diferente, pois não recebeu revelação. Uma coisa é conhecer as Escrituras apenas como 'logos', outra é conhecê-las como 'rhema'. Jó esclarece este dilema quando diz: "... com os ouvidos eu ouvira falar de ti; mas agora te vêem os meus olhos. Pelo que me abomino, e me arrependo no pó e na cinza." Os mansos, ainda que possuam grande conhecimento, recebem a verdade com simplicidade e singeleza de coração. Depois que são ensinados pelo Espírito Santo, eles se abominam e se reconhecem necessitados, incompetentes e carentes da glória de Deus. Os soberbos, ao contrário, se aferram aos seus méritos, conhecimentos humanos e doutrinas de homens.
Sola Scriptura!

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

OS DOIS "CABEÇAS FEDERAIS DE RAÇAS"

Rm. 5: 14 a 21 - "No entanto a morte reinou desde Adão até Moisés, mesmo sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão o qual é figura daquele que havia de vir. Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa; porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça de um só homem, Jesus Cristo, abundou para com muitos. Também não é assim o dom como a ofensa, que veio por um só que pecou; porque o juízo veio, na verdade, de uma só ofensa para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação. Porque, se pela ofensa de um só, a morte veio a reinar por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo. Portanto, assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação e vida. Porque, assim como pela desobediência de um só homem muitos foram constituídos pecadores, assim também pela obediência de um muitos serão constituídos justos. Sobreveio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça; para que, assim como o pecado veio a reinar na morte, assim também viesse a reinar a graça pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor."
Há diversas expressões utilizadas pelos expositores as quais não constam das Escrituras. Isto não as invalidam doutrinariamente. Tais expressões surgem da necessidade de expor o inteiro teor da revelação de modo mais claro ao entendimento obscurecido do homem. A expressão 'Cabeça Federal de Raça', hoje em desuso, já foi bastante utilizada na exposição de uma importante doutrina bíblica, a justificação do pecador. Tal expressão é parte do processo de abordagem do texto sagrado a fim de demonstrar o princípio escriturístico da representação ou tipificação. Antes da manifestação visível de Cristo, as referências a ele se davam por tipos e símbolos. A expressão, 'Cabeça Federal de Raça', não está verbalmente no texto das Escrituras, entretanto, é perfeitamente perceptível em diversos contextos delas. 
Os 'Cabeças Federais de Raças' foram apenas dois - Adão e Cristo - precisamente, porque com eles foram estabelecidas alianças da parte de Deus, o Pai. Enquanto Adão detinha o primado natural da humanidade, Cristo detém o primado espiritual. Portanto, ambos representam um grupo de pessoas aos olhos de Deus. O apóstolo Paulo faz referência doutrinária a ambos em I Co. 15: 45 a 49 - "Assim também está escrito: o primeiro homem, Adão, tornou-se alma vivente; o último Adão, espírito vivificante. Mas não é primeiro o espiritual, senão o animal; depois o espiritual. O primeiro homem, sendo da Terra, é terreno; o segundo homem é do céu. Qual o terreno, tais também os terrenos; e, qual o celestial, tais também os celestiais. E, assim como trouxemos a imagem do terreno, traremos também a imagem do celestial." Vê-se que há o primeiro Adão e o último Adão. O texto não fala em primeiro e segundo Adão, porque em Cristo a raça adâmica foi terminada. Isto implica em que a natureza pecaminosa transmitida pelo primeiro Adão é aniquilada no último Adão, a saber, em Cristo. O primeiro Adão era apenas alma vivente, pois o seu espírito se tornou morto para Deus por causa do pecado que o corrompeu. O último Adão é espírito vivificante, porque reconcilia os eleitos e regenerados à comunhão com Deus. Seus espíritos são novamente vivificados na ressurreição com Cristo, por isto o último Adão é espírito vivificante. O primeiro Adão era animal, ou seja, portador de autonomia apenas almática, porque a palavra animal provém do latim 'anima' que quer dizer alma. O último Adão, Jesus, o Cristo, estava em plena comunhão com o Pai, portanto, o seu espírito estava no controle e não a sua alma, logo, é espiritual e não animal. O primeiro homem era apenas subproduto da Terra, enquanto o segundo homem foi produto da obra divina, porque Jesus foi resultante de uma geração sobrenatural e não natural.
Ainda é revelado no texto de Romanos  5 que, todos os descendentes do primeiro 'Cabeça Federal de Raça' são iguais a ele, enquanto os que foram gerados de novo em Cristo, o outro 'Cabeça Federal de Raça' serão semelhantes a ele na restauração final. 
Cristo veio para aniquilar o pecado dos eleitos e predestinados, sendo este chamado de velha natureza adâmica e pecaminosa. Ele os libertou da culpa do pecado, igualmente os está libertando da influência do pecado e os libertará da presença do pecado na restauração final.
O texto de abertura demonstra com profunda luz que os descendentes do primeiro 'Cabeça Federal de Raça' herdaram dele a natureza pecaminosa. Alguém poderia interpelar: 'mas se apenas Adão pecou antes de gerar descendentes, porque todos os descendentes receberam a culpa'?  Exatamente porque ele representava toda a humanidade. Todos os homens estavam em Adão antes dele pecar, e depois do pecado, todos continuaram nele. Mais uma vez o apóstolo Paulo doutrina acerca disto com clareza meridiana em Rm. 5:12 - "Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porquanto todos pecaram." O primeiro Adão não só transmitiu ao DNA de todos os seus descendentes o pecado, mas também transmitiu a morte. A morte nos termos que vem de ser tratada no texto significa, não apenas o processo de degenerescência física, mas também a separação eterna de Deus. 
Finalmente vê-se no texto de abertura que, da mesma forma como o primeiro Adão foi o transmissor do pecado e da morte a muitos, o último Adão foi o responsável pela justificação  e redenção de muitos. Em nenhum contexto a bíblia fala em salvação de todos os homens. O que é ensinado é que há salvação para homens de todas as tribos, raças e nações. Este é o real sentido do termo 'todos' nas Escrituras relativamente à salvação. 
Sola Scriptura!