sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

A VERDADE É UNA E UMA SÓ

Ef. 4: 4 a 7 - "Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos. Mas a cada um de nós foi dada a graça conforme a medida do dom de Cristo."
Verdade é um substantivo feminino que significa: 'propriedade de estar conforme com os fatos e a realidade'. Portanto, a verdade  requer perfeita conformidade e fidelidade genuínas. Não pode ser um símile ou uma imitação da realidade. Por mais que a mentira e o engano se assemelhem à verdade, estes não podem substitui-la.
No tocante a esfera espiritual a verdade não é um conceito ou uma concepção filosófica. É, antes, uma pessoa, a saber, Jesus, o Cristo conforme sua própria autodefinição em Jo. 14:6 - "Respondeu-lhe Jesus: eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." Esta é a única verdade que reconcilia o homem decaído a Deus pela justificação na morte de Cristo. Deus, o pai conduz o homem decaído até a cruz para ser incluído na morte de Jesus, o Cristo, ali o pecado original ou a 'morte' é aniquilado. Ao ressuscitar juntamente com Cristo, a nova criatura é reconciliada  a Deus por meio de Cristo, fechando um círculo completo de 360°. Este era o segredo oculto nos séculos conforme Rm. 16:25b - "...conforme a revelação do mistério guardado em silêncio desde os tempos eternos..."
O universalismo é uma doutrina filosófica a qual presume ensinar ao homem, em sua sabedoria contaminada pela natureza pecaminosa, que há inumeráveis formas e caminhos de superar a questão do pecado, do mal moral e da morte espiritual. Também presume que a redenção é para todos e por diversos meios. Alguns clichês populares indicam esta linha de pensamento, como por exemplo: "Deus é um só, mas há diversos caminhos para se chegar a ele." Entretanto, o ensino puro das Escrituras anula todas as presunções do universalismo, ainda que pareçam lógicos e atraentes ao homem. As Escrituras não fazem concessões à natureza pecaminosa no homem e não estimula a busca da alma decaída por gratificação. A verdade dá ao homem decaído a exata dimensão da sua condenação e indica o único caminho possível à redenção.
O fato é que, se há uma única verdade, algo está muito errado, pois há grande diversidade de crenças e práticas. Todos afirmam estar com a verdade, fazendo-a uma espécie de propriedade particular. Todos se arvoram como senhores da verdade, porém, tal concepção, por si só aniquila todas estas verdades humanas, reduzindo-as à mentira e ao engano religioso de cunho gnóstico.
O texto que abre este estudo mostra que há uma única igreja identificada como o corpo, há um só Espírito Santo, uma só esperança na eleição e predestinação ou vocação. Há um só Senhor, um só batismo, e um só Deus. Neste caso, justificam-se as tantas e diferentes igrejas e seitas? Por que o Espírito Santo ensinaria diferentes verdades? Por que haveria tantas e diferentes vocações entre os homens? Por que Deus estabeleceria tantos senhores neste mundo? Por que os diferentes modos de batismos? Por que Deus, sendo único e soberano seria crido e caracterizado de modos os mais diversos?
Segundo o texto, o único dom que é dado a cada um conforme a medida de Deus é a graça. Por graça entende-se a ação monérgica de Deus, concedendo salvação e seus consequentes benefícios a quem não merece absolutamente nada. 
Não há diversas e diferentes verdades, porque ela é uma só conforme Sl. 119:160 - "A soma da tua palavra é a verdade, e cada uma das tuas justas ordenanças dura para sempre." Muitas são as formas de ensino procedentes palavra de Deus, mas a verdade é una e uma só. Tal verdade é a mesma do começo ao fim e dura eternamente. Todavia, as verdades do homem duram enquanto satisfazem os seus desejos da carnalidade.
I Co. 8: 5 a 7 - "Pois, ainda que haja também alguns que se chamem deuses, quer no céu quer na terra (como há muitos deuses e muitos senhores), todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual existem todas as coisas, e por ele nós também. Entretanto, nem em todos há esse conhecimento." Desta forma  Paulo ensina que há os que se auto-proclamam "deuses", tanto no mundo espiritual, como no mundo material. Entretanto, aos eleitos e preordenados antes dos tempos eternos há um só Deus, o Pai, e um só Senhor, Jesus, o Cristo. Todas as coisas foram feitas por ele e para ele. A questão é que, nem todos os homens recebem o dom da graça para ver e entrar no  reino de Deus conforme Jo. 3: 3 e 5 - "Respondeu-lhe Jesus: em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Jesus respondeu: em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus." Sem nascer do alto, o homem não vê e não entra. Por esta razão há tantos deuses, tantas verdades e modos diferentes de operacionalizar tais religiões. 
Por não poder ver e entrar mediante o caminho único, o homem recria novos fundamentos apoiados em sua mente contaminada pela natureza pecaminosa. Isto lhe proporciona gratificação na alma que, contaminada, tenta reencontrar o caminho de volta para o Paraíso com base em si mesma. Tal situação  acaba por produzir a cada dia novas exigências cerimoniais, sacrificiais, rituais e carnais. Por esta razão religiosos são tão legalistas e críticos em relação a todos e a tudo que lhes parece fora do controle.
Sola Scriptura!

Nenhum comentário: