sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

CRISTIANISMO SEM CRISTO VIII

I Co. 3: 11 a 20 - "Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo. E, se alguém sobre este fundamento levanta um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, a obra de cada um se manifestará; pois aquele dia a demonstrará, porque será revelada no fogo, e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se permanecer a obra que alguém sobre ele edificou, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele prejuízo; mas o tal será salvo todavia como que pelo fogo. Não sabeis vós que sois santuário de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; porque sagrado é o santuário de Deus, que sois vós. Ninguém se engane a si mesmo; se alguém dentre vós se tem por sábio neste mundo, faça-se louco para se tornar sábio. Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; pois está escrito: ele apanha os sábios na sua própria astúcia; e outra vez: o Senhor conhece as cogitações dos sábios, que são vãs."
Muitos imaginam que o falso cristianismo é aquele formado por igrejas ou seitas cujos líderes são gananciosos e roubadores. Outros imaginam que o falso cristianismo é toda religião que não seja a sua. Outros ainda acreditam que o falso cristianismo é uma questão comportamental, ou seja, pessoas cujos valores são reprováveis ou escandalosos. Assim, a maioria dos que se opõem ao cristianismo julga erroneamente. Seus juízos não são providos de fundamentos espirituais. Por esta razão Jesus, o Cristo disse: "... cegos, guiando cegos." Considerando o ensino puro de Cristo, nem os que julgam, nem os que são objeto de julgamentos passariam pela prova da fé conforme II Co. 13: 5 a 8 - "Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados. Mas espero que entendereis que nós não somos reprovados. Ora, rogamos a Deus que não façais mal algum, não para que nós pareçamos aprovados, mas que vós façais o bem, embora nós sejamos como reprovados. Porque nada podemos contra a verdade, porém, a favor da verdade." Vê-se que o único teste exigido nas Escrituras é que o cristão tenha a vida de Cristo. Entretanto, isto só é possível por meio do novo nascimento, e, este, não é subproduto da vontade humana ou de exercício de religião. Verifica-se, no texto acima, que, não se deve fazer o bem para ser aprovado pelos homens. Porque, aos olhos do mundo, o cristão verdadeiro sempre será considerando reprovado. Os religiosos não conhecem os termos estabelecidos nas Escrituras, pois elas afirmam que há uma inimizade natural entre a luz e as trevas conforme Tg. 4:4 - "Infiéis, não sabeis que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus." A verdade subjacente é que não há como amar a dois senhores ao mesmo tempo, porque é uma questão de princípio e não de circunstâncias. 
Uma das características do falso cristão é a busca pela aprovação dos homens. Neste caso, a vaidade consiste na busca da glória dos homens e não da vida de Cristo. Nenhum cristão, com experiência real de novo nascimento, se reconforta na expectativa de ser bem visto e amado pelo mundo, pois o ensino diz: "e sereis odiados de todos por causa do meu nome, mas aquele que perseverar até o fim, esse será salvo." Cristo afirma em outra instância que, quem cogita das coisas do homens é Satanás.
O texto de abertura mostra com clareza que não se pode lançar outro fundamento sobro o já lançado. O fundamento é Cristo e este crucificado, morto e ressurrecto. Há diversas possibilidades de construir sobre o fundamento já colocado, mas jamais é permitido colocar um novo fundamento. Muitos constroem sobre a Rocha Eterna, a saber, Cristo, edificações de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha. Na restauração final é que se mostrará qual é a obra permanente e qual a que se queimou. Esta é a razão pela qual não se avalia o verdadeiro cristianismo apenas com base nos feitos ou malfeitos dos cristãos. É com base no que é permanente, ou seja, a vida de Cristo que será provado. Pela mesma razão foi dito por Paulo que o vaso é de barro e o seu conteúdo é de ouro. 
O erro mais grosseiro que se vê no "cristianismo sem Cristo" é cultuar um Deus que está distante no céu, um Cristo simbólico e enigmático e um Espírito Santo de conveniências. O nascido de Deus é o santuário d'Ele por meio do Espírito Santo que o conduz e o ensina toda a verdade conforme Jo. 16:13 - "Quando vier, porém, aquele, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas vindouras." Este mesmo Consolador já foi enviado e tem como única meta glorificar a Cristo, convencendo o homem do pecado, da justiça e do juízo. 
Quando o cristão substitui a vida de Cristo por conhecimento teológico, rituais e misticismo religioso, práticas de auto-justificação e busca de méritos, violou tudo o que as Escrituras ensinam. Neste ponto se constituiu como mais um no grupo dos que estão no cristianismo, no qual, Cristo não tem parte.
Sola Scriptura!

Nenhum comentário: