segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

SOBRE O FIM DOS TEMPOS IX

Dn. 7: 10 a 14 - "Eu continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e um ancião de dias se assentou; o seu vestido era branco como a neve, e o cabelo da sua cabeça como lã puríssima; o seu trono era de chamas de fogo, e as rodas dele eram fogo ardente. Um rio de fogo manava e saía de diante dele; milhares de milhares o serviam, e miríades de miríades assistiam diante dele. Assentou-se para o juízo, e os livros foram abertos. Então estive olhando, por causa da voz das grandes palavras que o chifre proferia; estive olhando até que o animal foi morto, e o seu corpo destruído; pois ele foi entregue para ser queimado pelo fogo. Quanto aos outros animais, foi-lhes tirado o domínio; todavia foi-lhes concedida prolongação de vida por um prazo e mais um tempo. Eu estava olhando nas minhas visões noturnas, e eis que vinha com as nuvens do céu um como filho de homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e foi apresentado diante dele. E foi-lhe dado domínio, e glória, e um reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino tal, que não será destruído."
Esta é a segunda parte da profecia de Daniel recebida enquanto o povo judeu estava cativo na Babilônia. Na primeira parte ele descreve, simbolicamente, as quatro nações mais poderosas e como elas se sucederiam e o que fariam na Terra. Nesta parte a visão é transferida para o juízo final e a posse do reino eterno de Cristo e seus santificados
Estes tronos que Daniel vê em sua visão espiritual são mencionados em diversas passgens que tratam da execução do juízo de Deus sobre a Terra. Esta visão é repetida por João em Ap. 4: 4 a 6 - "Havia também ao redor do trono vinte e quatro tronos; e sobre os tronos vi assentados vinte e quatro anciãos, vestidos de branco, que tinham nas suas cabeças coroas de ouro. E do trono saíam relâmpagos, e vozes, e trovões; e diante do trono ardiam sete lâmpadas de fogo, as quais são os sete espíritos de Deus; também havia diante do trono como que um mar de vidro, semelhante ao cristal; e ao redor do trono, um ao meio de cada lado, quatro seres viventes cheios de olhos por diante e por detrás." Estes vinte e quatro anciãos são os doze patriarcas das tribos de Israel e os doze apóstolos de Cristo, representando a antiga e a nova aliança, da lei e da graça, respectivamente.
Os livros a que alude Daniel em sua visão foram também mencionados em Ap. 20:12 - "E vi os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono; e abriram-se uns livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida; e os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras."  São dois tipos de livros: o livro dos registros perpétuos de tudo quanto os homens fizeram durante a existência e o livro da vida que é onde estão os nomes dos eleitos e regenerados em Cristo.
Daniel descreve Deus como um "ancião de dias", e, esta expressão, bem como a sua descrição indicam, simbolicamente, que Ele é o senhor do tempo. O trono de Deus, por sua descrição, é também uma carruagem de batalha. O fogo sempre indica ou simboliza juízo e não poder como pretendem alguns ignorantes das Escrituras. Há grupos religiosos que clamam pelo fogo e não sabem que estão clamando por juízos sobre suas próprias cabeças. 
Deus, então, abre os livros e inicia o julgamento final e o último império poderoso que dominará a Terra, o do Anticristo, é uma revivificação do império romano, mas que será destruído conforme o verso 11 - "Então estive olhando, por causa da voz das grandes palavras que o chifre proferia; estive olhando até que o animal foi morto, e o seu corpo destruído; pois ele foi entregue para ser queimado pelo fogo."  Os outros reinos ou nações se prolongaram por algum tempo, mas sem grandes domínios. Isto quer dizer que etnias oriundas dos babilônios, caldeu, medos, persas e gregos continuarão existindo conforme o verso 12 - "Quanto aos outros animais, foi-lhes tirado o domínio; todavia foi-lhes concedida prolongação de vida por um prazo e mais um tempo."
Finalmente o reino é entregue ao Grande Rei, o Filho Unigênito e Primogênito de Deus e aos que foram santificados n'Ele conforme o versos 13 e 14 - "Eu estava olhando nas minhas visões noturnas, e eis que vinha com as nuvens do céu um como filho de homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e foi apresentado diante dele. E foi-lhe dado domínio, e glória, e um reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino tal, que não será destruído." Jesus, o Cristo, no momento em que ascendeu ao Céu afirmou que viria sobre as núvens e todo olho o veria. A expressão "filho do homem" é largamente utilizada nas Escrituras e faz referência a Cristo, porque Ele é Deus-homem e homem-Deus conforme já foi dito em outro estudo.
Daniel recebeu todas estas revelações e ficou bastante curioso para entendê-las intelectualmente, mas isto não lhe foi totalmente permitido. Apenas lhe foi explicado que os quatro animais seriam grandes nações que se levantariam da Terra ao longo da história. A ele foi dado conhecer apenas alguns aspectos sobre o quarto animal, a saber, o reino que se levantará poderoso no fim dos tempos conforme os versos 23 a 26 - "Assim me disse ele: o quarto animal será um quarto reino na Terra, o qual será diferente de todos os reinos; devorará toda a terra, e a pisará aos pés, e a fará em pedaços. Quanto aos dez chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis. Proferirá palavras contra o Altíssimo, e consumirá os santos do Altíssimo; cuidará em mudar os tempos e a lei; os santos lhe serão entregues na mão por um tempo, e tempos, e metade de um tempo. Mas o tribunal se assentará em juízo, e lhe tirará o domínio, para o destruir e para o desfazer até o fim." Alguns interpretes acreditam que estes reinos ou governos surgirão da União Européia, pois lá é o cenário onde aparecem nações de origem latina, ou seja, do império romano. Veja que os santificados serão entregues ao tormento da Besta por três anos e meio. Este é o sentido exato de "um tempo, dois tempos e metade de um tempo", pois 1 + 2 + 1/2 = 3,5 anos. Esta é a segunda metade da septuagésima semana da profecia de Daniel capitulo 9. 
Finalmente é revelado a Daniel que o reino eterno de Cristo e dos seus santificados será instalado conforme os versos 18, 22 e 27 - "Mas os santos do Altíssimo receberão o reino e o possuirão para todo o sempre, sim, para todo o sempre. Até que veio o ancião de dias, e foi executado o juízo a favor dos santos do Altíssimo; e chegou o tempo em que os santos possuíram o reino. O reino, e o domínio, e a grandeza dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo. O seu reino será um reino eterno, e todos os domínios o servirão, e lhe obedecerão."
Sola Scriptura!

Nenhum comentário: