sábado, 21 de janeiro de 2012

O EVANGELHO OCULTO

Cl. 1:17 a 27 - "Ele é antes de todas as coisas, e n'Ele subsistem todas as coisas; também Ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência, porque aprouve a Deus que n'Ele habitasse toda a plenitude, e que, havendo por Ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio d'Ele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na Terra como as que estão nos céus. A vós também, que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante Ele vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis, se é que permaneceis na fé, fundados e firmes, não vos deixando apartar da esperança do evangelho que ouvistes, e que foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, fui constituído ministro. Agora me regozijo no meio dos meus sofrimentos por vós, e cumpro na minha carne o que resta das aflições de Cristo, por amor do Seu corpo, que é a igreja; da qual eu fui constituído ministro segundo a dispensação de Deus, que me foi concedida para convosco, a fim de cumprir a palavra de Deus, o mistério que esteve oculto dos séculos, e das gerações; mas agora foi manifesto aos seus santos, a quem Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, a esperança da glória."
As realidades são de duas categorias: as que são ocultas e as que são reveladas. A percepção humana pode alcançar quase tudo que é tangível, ou sensoreável. Na esfera da realidade concreta, o homem dispõe dos sentidos naturais para apercebê-las. A constatação dos fenômenos pela sensorialidade é o que, genericamente, se chama de ciência. Logo, esta nada tem a ver com a fé, pois tais fenômenos são perceptíveis seja, empiricamente, seja epistemologicamente. A fé, entretanto, é dom de Deus e atua na esfera do intangível, e do invisível. Enquanto em ciência prevalece o ver para crer, em matéria de fé prevalece o crer para ver.
Entretanto, há um conhecimento que difere substancialmente do simples saber. Por exemplo, todos sabem o que é a água enquanto elemento natural, mas poucos conhecem a composição e as propriedades físico-químicas dela. Na esfera espiritual o conhecimento é revelado ao espírito do homem regenerado. Há um evangelho anunciável que é pregado e serve apenas para abrir os ouvidos dos eleitos conforme Sl. 40:6. Entretanto, aos que não irão crer, tal evangelho não passa de um amontoado de palavras repetitivas e massantes. Por vezes o anúncio deste evangelho é recebido com antipatia e fortes reações de oposição. Isto ocorre, porque a natureza humana é diametralmente oposta ao evangelho de Cristo conforme Rm. 3: 11 - "Não há quem entenda; não há quem busque a Deus." Isto acontece, porque o homem natural discerne apenas as coisas sensoreáveis e almáticas conforme I Co. 2: 14 - "Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente."
Todavia, há um evangelho oculto, o qual foi guardado nos tempos desde a eternidade pretérita. Este evangelho que esteve oculto é o que é recebido pelos que foram preordenados para a vida, ainda que também pecadores, tanto quanto os demais. Aos eleitos Deus manifesta este 'mistério oculto dos séculos e das gerações', por meio da reconciliação, incluindo-os no corpo de Cristo em Sua morte de cruz. Ele os conduz, pela fé, até a cruz, onde são atraídos, e ali, suas naturezas mortas espiritualmente morrem com Cristo,  para depois serem vivificadas ao ressuscitar juntamente com Cristo, pela fé. Neste ponto se completa o mistério que esteve oculto: eles em Cristo na morte, e Cristo neles, na ressurreição, constituindo-se na esperança da glória do mundo vindouro, na restauração de todas as coisas. Neste sentido, os eleitos e regenerados passam a fazer parte do corpo de Cristo, que é a Igreja, a qual transcende o tempo e o espaço. Nada tem a ver com estas igrejas institucionais e nominais postas perante o mundo.
I Co. 4:5 - "Portanto nada julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não só trará à luz as coisas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o seu louvor." Assim, há muitas coisas ocultas que atuam no mundo valendo-se da natureza pecaminosa do homem. Tais trevas serão manifestas pela luz de Cristo na restauração final. Ef. 3:8 a 11 - "A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar aos gentios as riquezas inescrutáveis de Cristo, e demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou, para que agora seja manifestada, por meio da igreja, aos principados e potestades nas regiões celestes, segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor..." É assim que os eleitos e regenerados se põem diante do mundo e de Deus: como 'o mínimo'. Contrariamente, o falso evangelho tende a exaltar o homem como sendo o centro de todas as coisas. O mistério que esteve oculto em Deus, agora é manifestado por meio do anúncio do evangelho da Graça. Contrariamente, o falso evangelho é fundamentado no esforço e no mérito humano.
Sola Fidei!

Nenhum comentário: