sábado, 10 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA XLVII


Mt. 24: 9 a 13 - "Então sereis entregues à tortura, e vos matarão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos hão de se escandalizar, e trair-se uns aos outros, e mutuamente se odiarão. Igualmente hão de surgir muitos falsos profetas, e enganarão a muitos; e, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo."
Enquanto os religiosos cegos pelo 'deus' deste século pregam o progresso e a melhoria da sociedade, o evangelho de Cristo segue caminho oposto a este humanismo. O homem não é bom, e mesmo em suas bondades sociológicas, há maldade, porque a matriz é má em sua natureza contaminada pelo pecado. Alguém escreveu: "Deus, livra-me de mim mesmo, livra-me da ruindade de gente boa, e livra-me da bondade de gente ruim, livra-me de mim mesmo." De fato é muito apropriado, visto que o próprio Jesus, quando declarado bom, retaliou ao jovem rico, dizendo: "Respondeu-lhe Jesus: por que me chamas bom? Ninguém é bom, senão um, que é Deus."Satanás tem feito muito sucesso no seio da maioria das igrejas institucionais, afirmando uma doutrina puramente humanista e gnóstica. Por falta de revelação nas Escrituras os religiosos defendem suas doutrinas e dogmas com ferocidade. Entretanto, elas são apenas o subproduto do engano e da mentira religiosa. Cauterizam as suas mentes e fecham o filtro à revelação do alto, pois suas naturezas não foram crucificadas com Cristo. Praticam apenas rituais e religião de segunda mão.
Ap. 13: 1 a 18 - "Então vi subir do mar uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças nomes de blasfêmia. E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder e o seu trono e grande autoridade. Também vi uma de suas cabeças como se fora ferida de morte, mas a sua ferida mortal foi curada. Toda a terra se maravilhou, seguindo a besta, e adoraram o dragão, porque deu à besta a sua autoridade; e adoraram a besta, dizendo: quem é semelhante à besta? quem poderá batalhar contra ela? Foi-lhe dada uma boca que proferia arrogâncias e blasfêmias; e deu-se-lhe autoridade para atuar por quarenta e dois meses. E abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome e do seu tabernáculo e dos que habitam no céu. Também lhe foi permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe autoridade sobre toda tribo, e povo, e língua e nação. E adorá-la-ão todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo. Se alguém tem ouvidos, ouça. Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto. Aqui está a perseverança e a fé dos santos. E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como dragão. Também exercia toda a autoridade da primeira besta na sua presença; e fazia que a terra e os que nela habitavam adorassem a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada. E operava grandes sinais, de maneira que fazia até descer fogo do céu à terra, à vista dos homens; e, por meio dos sinais que lhe foi permitido fazer na presença da besta, enganava os que habitavam sobre a terra e lhes dizia que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia. Foi-lhe concedido também dar fôlego à imagem da besta, para que a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta. E fez que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, lhes fosse posto um sinal na mão direita, ou na fronte, para que ninguém pudesse comprar ou vender, senão aquele que tivesse o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis."
Na simbologia bíblica, cabeças representam comando, chifres representam poder, e os diademas ou coroas representam autoridades. Besta é a forma que João se refere a uma pessoa revestida de bestialidade, pois está apoiada em um sistema fora de Cristo. Lutando para o estabelecimento de um reino impossível, em um mundo contaminado pelo pecado. Este capítulo do Apocalipse dá detalhes da maneira como Satanás perseguirá os santos da tribulação, e de como usará homens, a política, a economia, e a tecnologia para tanto. A Besta que emerge do mar é uma simbologia de um líder que surge em meio a uma união de países, ou acordos internacionais. O mar em sentido escatológico sempre representa povos e nações. Pelas características de leopardo, urso e leão percebe-se que se trata de uma mescla de poderes e forças organizadas e concentradas em um homem e um sistema. Esta Besta receberá poderes extraordinários de Satanás, pois este lhe concede o poder, o trono e a autoridade. Isto confirma II Ts. 2:9 - "... a esse iníquo cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás com todo o poder e sinais e prodígios de mentira..." Porém, não se pode esquecer que esta é a revelação das Escrituras do ponto de vista de Deus. Aos homens a Besta parecerá um homem maravilhoso, perfeito, inteligente e muito bem intencionado em resolver os reais problemas da humanidade. Será visto como a única solução para a humanidade!
A Besta será uma encarnação de Satanás, pois quando ele for precipitado do céu à Terra ficará em uma situação desvantajosa. Sendo um ser espiritual em meio a um mundo material dirigido por homens físicos, necessitará de um corpo pelo qual agirá. Neste sentido, tentará imitar Cristo, pois Deus preparou um corpo para o Seu Filho Unigênito conforme Hb. 10:5 - "... mas corpo me preparaste...." Como o Diabo não tem ninguém que prepare um corpo para ele, se apossará de um homem preparado para este fim denominado de Anticristo. Estas profecias estão especialmente em Ez.28:12 a 19. Neste caso o rei de Tiro é o tipo do Anticristo, Tiro não é uma referência a antiga cidade do Oriente Médio, mas sim uma cidade futura onde ele se instalará. A sua semelhança ao leopardo, ao urso e ao leão é, na verdade, a sua identificação com os grandes impérios mundias governados por Satanás. A Besta, ou o Anticristo que é a encarnação de Satanás, será o quarto domínio mundial que surgirá de dez nações de origem latina, ou seja, derivadas do antigo Império Romano. Por isso, as coroas estão em seus chifres, e não em cabeças. Este é o super-homem esperado e desejado pela humanidade em sua frenética luta para ser independente de Deus. Tentar-se-á estabelecer o paraíso na Terra sem Cristo!
Haverá adoração a Satanás por meio do Anticristo por três anos e meio, a saber, quarenta e dois meses, ou mil duzentos e sessenta dias. Este é o período em que a Besta fará guerra aos santos da tribulação. Entretanto, o seu governo durará sete anos, pois desde que assinar uma aliança com os judeus, o seu governo estará em curso. Ele se auto-proclamará 'deus' e exigirá adoração a si, proferindo duras palavras contra Deus e contra os santos. Mudará a contagem do tempo, ou seja, calendários, e alterará as leis por meio de novos tratados internacionais. Os santos que serão convertidos após o arrebatamento serão entregues a ele para serem mortos ao longo de três anos e meio. Este é o sentido de "um tempo, dois tempos, e metade de um tempo.
Há neste capítulo duas bestas: uma que emerge do mar, e a outra que emerge da terra. A primeira sabe-se que se trata de um líder político habilidoso, porém a segunda trata-se de um líder religioso, sendo isto indicado pelos seus atos sobrenaturais. A segunda Besta exerce poder, não para si, mas para levar o povo a adorar a primeira Besta, pois ambos estão a serviço de Satanás. Fará que se faça uma imagem da primeira Besta, a qual respirará e falará. Talvez os atuais avanços na área de biotecnologia permitam uma clonagem, ou mesmo uma hibridação de homem e máquina. A segunda Besta possui dois chifres, ou seja, possui poder temporal e poder "espiritual", porém fala como dragão. Após a recuperação, ou falsa ressurreição da primeira Besta, a segunda Besta levará o mundo a adorá-la como um 'messias'. É a inglória tentativa de imitar a morte e a ressurreição de Cristo.
A Besta, ou Anticristo terá autoridade máxima sobre todos os povos da Terra. Todos aqueles cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo, o adorarão. Ele se engrandecerá a ponto de negar Deus, os santos, e tudo o que se refere a Cristo. A Besta tem uma marca própria com a qual marcará tudo e todos. É dito que o seu nome é um número, a saber, 666 - seiscentos e sessenta e seis - que é a sua marca. O número seis é número de homem, portanto, a sua tríplice repetição é uma alusão à trindade satânica: Satanás, a Besta, e o Falso Profeta. Identificará um homem específico, pois este número é também o seu nome. Em grego, hebraico e latim, letras são também números, permitindo uma substituição que redunda em um nome. Não se pode assegurar que esta seja a interpretação correta, pois até agora o número 666 coincidiu com nomes de diversas personagens da história, inclusive, Lutero, o Papa, Nero, Hitler. A expressão "VICARIUS FIILI DEI" que aparece na tiara do Papa forma o número 666. Basta somar todas as letras que possuem valor numérico. Lembre-se que em latim "U" e "V" têm o mesmo valor. Esta expressão em latim significa: "VIGÁRIO DO FILHO DE DEUS". Sabendo-se que vigário é representante!
O mais provável é que tal entendimento do significado do número 666 só seja possível durante o tempo em que a Besta se manifestar ao mundo. Esta marca só aparecerá após o arrebatamento, e não antes como alguns andam procurando identificá-la em produtos, código de barras, DDD de telefones importantes, pessoas, cargos, instituições, chips de cartões de créditos. Estas ocorrências do 666 são apenas protótipos do que de fato será aplicado no tempo do domínio do Anticristo.
Gloria in excelsis Deo!

Nenhum comentário: