sábado, 31 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LXIV

Lm. 2:14 - "Os teus profetas viram para ti visões falsas e insensatas; e não manifestaram a tua iniquidade, para te desviarem do cativeiro; mas viram para ti profecias vãs e coisas que te levaram ao exílio."
Há hoje inumeráveis profetas paroleiros falando em nome de Jesus por aí. A primeira evidência da falsa profecia é quando ela não coloca o pecado na sua real dimensão. Sempre que a profecia, seja da pregação da palavra já revelada, seja do que não está revelado põe o foco no homem, sem lhe mostrar o pecado, ela é falsa.
O profeta Jeremias está acusando estas falsas profecias que não apontavam a iniquidade do povo de Israel. Acabou levando os hebreus cativos para a Babilônia, onde permaneceram por cerca de 70 anos. Assim tem sido nos círculos ditos evangélicos e carismáticos, fazem muito alvoroço triunfalista em nome de um Cristo que não conhecem e não adoram em espírito e em verdade. São profecias vãs, porque vazias da mensagem do nascimento do alto pela inclusão na morte de Cristo e da consequente ressurreição juntamente com Ele.
Ap. 22: 14 a 21 - "Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestes, no sangue do Cordeiro, para que tenham direito à arvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas. Ficarão de fora os cães, os feiticeiros, os adúlteros, os homicidas, os idólatras, e todo o que ama e pratica a mentira. Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas a favor das igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã. E o Espírito e a noiva dizem: vem. E quem ouve, diga: vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, receba de graça a água da vida. Eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro: se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus lhe acrescentará as pragas que estão escritas neste livro; e se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus lhe tirará a sua parte da árvore da vida, e da cidade santa, que estão descritas neste livro. Aquele que testifica estas coisas diz: certamente cedo venho. Amém; vem, Senhor Jesus. A graça do Senhor Jesus seja com todos."
Feliz é aquele que lava as suas vestes no sangue do Cordeiro é uma afirmação e não uma tese. O sangue vertido na cruz é o único meio de lavar a alma contaminada pela natureza pecaminosa. É este lavar regenerados que dá direito ao pecado de comer da árvore da vida perdida no Éden. Os que foram assim purificados, entrarão na Cidade Santa pelas portas. Os que lavam as suas vestes em suas justiças próprias ficarão de fora, pois já têm suas justiças e justificativas. Não necessitam de um salvador, pois são eles mesmos que produzem a sua redenção. Eles confiam em falsas doutrinas, em homens de torpe ganância, em doutores segundo os seus próprios desejos, gostam de ouvir as pregações que lhes agradam, e não que os acusam de pecadores. Acerca destes bem profetizou Judas conforme Jd. 8 a 12 - "Contudo, semelhantemente também estes falsos mestres, sonhando, contaminam a sua carne, rejeitam toda autoridade e blasfemam das dignidades. Estes, porém, blasfemam de tudo o que não entendem; e, naquilo que compreendem de modo natural, como os seres irracionais, mesmo nisso se corrompem. Ai deles! porque foram pelo caminho de Caim, e por amor do lucro se atiraram ao erro de Balaão, e pereceram na rebelião de Coré. Estes são os escolhidos em vossos ágapes, quando se banqueteiam convosco, pastores que se apascentam a si mesmos sem temor; são nuvens sem água, levadas pelos ventos; são árvores sem folhas nem fruto, duas vezes mortas, desarraigadas."
Este é o testemunho do próprio Cristo às Igrejas, ou seja, aos grupos de adoradores ressurretos em todos os lugares. Não se refere aqui às denominações religiosas, mas ao corpo de Cristo. Admoesta que ninguém  retire ou acrescente nada ao livro da profecia apocalíptica, sob pena de sofrer as consequências dos seus juízos.
Jesus mostra que a salvação é pela graça e não por méritos e justiças humanistas. Alerta para a brevidade e convergência do tempo da sua vinda como o Grande Rei.
Gloria in excelsis Deo!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LXIII

Ap. 1: 3 a 8 - "Bem-aventurado aquele que lê e bem-aventurados os que ouvem as palavras desta profecia e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo. João, às sete igrejas que estão na Ásia: graça a vós e paz da parte daquele que é, e que era, e que há de vir, e da dos sete espíritos que estão diante do seu trono; e da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o Príncipe dos reis da terra. Àquele que nos ama, e pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados, e nos fez reino, sacerdotes para Deus, seu Pai, a ele seja glória e domínio pelos séculos dos séculos. Amém. Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém. Eu sou o Alfa e o Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso."
"Bem-aventurado" é uma expressão que indica felicidade. É feliz aquele que lê, é feliz aquele que ouve as palavras da profecia apocalíptica. Entretanto, não é o bastante lê-las e ouvi-las. É necessário guardá-las, o que implica em apropriar-se delas e internalizá-las como um princípio. É como a cruz, ela não é apenas um símbolo religioso do Cristianismo, mas é um princípio a ser percorrido, pois Cristo não morreu nela sozinho. Todos os eleitos foram para ela atraídos, e, n'Ele incluídos para destruição das suas naturezas pecaminosas conforme Rm. 6:6 - "...sabendo isto, que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado fosse desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado." E, da mesma forma em que Cristo ressuscitou dentre os mortos, também os eleitos e, agora, regenerados, possam crer que também com Ele ressuscitaram. Este é um princípio de fé e não de liturgia e rituais, preceitos, ou dogmas de religião exterior.
Ap. 22: 1 a 13 - "E mostrou-me o rio da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro. No meio da sua praça, e de ambos os lados do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a cura das nações. Ali não haverá jamais maldição. Nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão, e verão a sua face; e nas suas frontes estará o seu nome. E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de luz de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os alumiará; e reinarão pelos séculos dos séculos. E disse-me: estas palavras são fiéis e verdadeiras; e o Senhor, o Deus dos espíritos dos profetas, enviou o seu anjo, para mostrar aos seus servos as coisas que em breve hão de acontecer. Eis que cedo venho! Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro. Eu, João, sou o que ouvi e vi estas coisas. E quando as ouvi e vi, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava, para o adorar. Mas ele me disse: olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus. Disse-me ainda: não seles as palavras da profecia deste livro; porque próximo está o tempo. Quem é injusto, faça injustiça ainda: e quem está sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo, santifique-se ainda. Eis que cedo venho e está comigo a minha recompensa, para retribuir a cada um segundo a sua obra. Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o derradeiro, o princípio e o fim."
O rio da água da vida, a árvore da vida com seus frutos sazonais estarão na Cidade Santa, e não na superfície da Terra. Haverá uma estrada central que termina diante do trono de Deus e de Cristo. O rio correrá no meio das duas vias desta estrada, e nas suas margens estão plantadas fileiras de árvores da vida. As nações na Terra dependerão da água da vida e dos frutos da árvore da vida para sua cura. Os vivos, na Terra, poderão viver para sempre tendo acesso à árvore da vida que já esteve no Éden. A Santa Cidade será a capital do universo e a morada eterna dos eleitos e redimidos. 
Os eleitos e santificados terão uma relação perpetuamente íntima com Cristo, pois contemplarão a sua face. Nas suas testas estará escrito o nome d'Ele, para distinguir os redimidos em toda e qualquer parte do universo. Naquela Cidade Santa não haverá noite, e os seus portões jamais serão fechados. Ainda que ninguém possa entrar nessa cidade, senão os eleitos e redimidos pelo sangue do Cordeiro, as suas portas estarão abertas de dia e de noite. Isto indica intensa atividade de ir e vir dos seus habitantes.
A luz da Cidade Santa procederá do próprio Deus, pois o Cordeiro, a saber, Cristo é a sua própria lâmpada conforme Ap. 21:23 - "... o Cordeiro é a sua lâmpada." A luz no sentido bíblico é conhecimento e também vida, por isso, a afirmação de Jo. 1:4 - "A vida estava nele, e a vida era a luz dos homens."
O apóstolo João recebe a ordem para não selar as palavras da profecia apocalíptica. Isto significa que, os eleitos e regenerados deve anunciar estas profecias e não apenas conhecê-las e guardá-las silenciadas em uma instante.
As palavras ditas a João são fiéis e verdadeiras, porquanto são as mesmas palavras ditas aos profetas no passado. E tais eventos previstos estão acontecendo e convergindo para o tempo do fim. Diante de tão esplendentes revelações, João prostrou-se para adorar o anjo que as anunciava, ao que este recusou a adoração. O mensageiro disse firmemente: "adora a Deus." Por isso, na sequência, é dito que os que fazem justiça seriam purificados, e os que são injustos continuariam praticando seus atos pecaminosos de injustiças.
Gloria in excelsis Deo!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LXII

II Tm. 3: 1 a 5 - "Sabe, porém, isto, que nos últimos dias sobrevirão tempos penosos; pois os homens serão amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a seus pais, ingratos, ímpios, sem afeição natural, implacáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando-lhe o poder. Afasta-te também desses."
Sempre que se depara com as passagens relativas ao estado deplorável do homem natural, tem-se a impressão que é exatamente assim que está acontecendo mesmo. Os textos são atualíssimos e, de fato, fica claro que os últimos dias já chegaram. Todavia, tais sinais são apenas parte da revelação da natureza pecaminosa, e tendem a piorar na medida em que se aproxima o tempo da tribulação.
Após um período de horror na face da Terra nascerá uma nova Terra e um novo céu onde haverá justiça, paz e prosperidade para todos. O reino eterno terá sido implantado e os homens, mesmo os que não possuem corpos espirituais, serão totalmente diferentes e a vida será longa e plena de saúde.
Ap. 21: 1 a 7 - "E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já se foram o primeiro céu e a primeira terra, e o mar já não existe. E vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, adereçada como uma noiva ataviada para o seu noivo. E ouvi uma grande voz, vinda do trono, que dizia: eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles. Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. E o que estava assentado sobre o trono disse: eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: escreve; porque estas palavras são fiéis e verdadeiras. Disse-me ainda: está cumprido: Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim. A quem tiver sede, de graça lhe darei a beber da fonte da água da vida. Aquele que vencer herdará estas coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho."
Este novo céu e a nova Terra resultam do processo de depuração porque passará a Terra e o firmamento, como também do trabalho de restauração durante o milênio. É o fruto do trabalho da obra de redenção do "Grande Rei" que tem o seu começo na eternidade pretérita, passando pela cruz, e terminando no seu glorioso regresso. Esta redenção é retratada ao longo de todas Escrituras, pelos profetas e apóstolos. Após todos os fracassos do homem em estabelecer um paraíso à revelia do "supremo propósito" de Deus, falharam. Por isso, o apóstolo Paulo afirma em II Co. 5:17 - "...as cousas antigas já passaram; eis que se fizeram novas.". Esta é a bendita esperança descrita em Tt. 2:13 - "...aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus..."
O texto apocalíptico afirma que o mar já não existe. Isto não quer dizer que não haverá água na Terra restaurada, mas tão somente que a estrutura dos continentes e dos oceanos foi alterada e passou a predominar a superfície de terra firme. Isto acabará com as regiões estéreis e toda a Terra voltará a ser como no Éden. A redenção fará que haja a restauração da Terra original, sendo os céus e a Terra, tal como antes da queda do homem. No Gênesis é dito que havia uma quantidade de água acima no firmamento, aproximadamente igual à quantidade de água embaixo nos mares e oceanos. Porém, estas águas foram despejadas sobre a Terra por ocasião do dilúvio conforme Gn. 7: 11 - "No ano seiscentos da vida de Noé, aos dezessete dias do mês, nesse dia romperam-se as fontes do grande abismo, e as comportas dos céus se abriram..." Depois do dilúvio, e devido a inclinação do eixo da Terra, estas águas se congelaram nos Polos. Há uma teoria que diz que as águas circundavam a Terra como anéis semelhantes aos de Saturno, e que estas águas filtravam os raios cósmicos, o que explicaria a longevidade dos seres vivos.
Na maior parte do capítulo 21 do Apocalipse é descrita a "Cidade Santa", ou seja, a cidade onde habitarão o "Grande Rei" e os santos redimidos. Ela é também chamada de "Nova Jerusalém", porque não é a Jerusalém terrena construída pelo homem, e tantas vezes destruída. É uma cidade perfeita que desce de Deus à Terra. Ela será o esplendor da própria luz de Deus, dispensando o Sol e a Lua para iluminar a Terra. Esta cidade espiritual é chamada de "A Noiva", "A Esposa do Cordeiro", fazendo menção à união eterna entre Cristo e a Igreja. Ela ficará suspensa entre o espaço sideral e a Terra. Será uma cidade em tudo esplendorosa: seus muros terão doze fundamentos com os nomes dos apóstolos. Estas muralhas têm cerca de 80 metros de altura e doze portas formadas por doze pérolas inteiriças com os nomes das doze tribos de Israel. Assim, vê-se que, tanto os justificados da velha dispensação, como os santificados da nova aliança participarão da Cidade Santa.
Nesta cidade não há Igreja ou Templo, pois o próprio Deus nela habitará em pessoa, e a adoração será perpétua.
Gloria in excelsis Deo!

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LXI

Lc. 21: 9 a 11 - "Quando ouvirdes de guerras e tumultos, não vos assusteis; pois é necessário que primeiro aconteçam essas coisas; mas o fim não será logo. Então lhes disse: levantar-se-á nação contra nação, e reino contra reino; e haverá em vários lugares grandes terremotos, e pestes e fomes; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu."
Estes fatos sempre ocorreram ao longo da história da humanidade, é verdade, porém à medida em que se converge para o fim desse sistema vigente, eles se avolumam, tanto em quantidade, quanto em intensidade. É necessário compreender esta verdade, porque muitos debocham das profecias, exatamente porque julgam que os fatos nelas descritos não são novidades.
Estes zombeteiros foram devidamente previstos nas Escrituras conforme o registro em II Pd.3:3 e 4 - "... sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores com zombaria andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação."
Ap. 20:4 a 15 - "Então vi uns tronos; e aos que se assentaram sobre eles foi dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados por causa do testemunho de Jesus e da palavra de Deus, e que não adoraram a besta nem a sua imagem, e não receberam o sinal na fronte nem nas mãos; e reviveram, e reinaram com Cristo durante mil anos. Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se completassem. Esta é a primeira ressurreição. Bem-aventurado e santo é aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele durante os mil anos. Ora, quando se completarem os mil anos, Satanás será solto da sua prisão, e sairá a enganar as nações que estão nos quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, a fim de ajuntá-las para a batalha. E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade querida; mas desceu fogo do céu, e os devorou; e o Diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde estão a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados pelos séculos dos séculos. E vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiram a terra e o céu; e não foi achado lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono; e abriram-se uns livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida; e os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. O mar entregou os mortos que nele havia; e a morte e o além entregaram os mortos que neles havia; e foram julgados, cada um segundo as suas obras. E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E todo aquele que não foi achado inscrito no livro da vida, foi lançado no lago de fogo."
Agora é a preparação para o que se denomina nos círculos teológicos de "Juízo Final". Nesta cena o apóstolo João vê os mártires da "Grande Tribulação". Eles morreram por causa do testemunho de Cristo do evangelho da verdade. Foram isolados, perseguidos, presos, e assassinados, simplesmente porque não aceitaram adorar o Anticristo. Não foram marcados com o número do seu nome em suas testas, e suas mãos. Permaneceram fieis até para a morte conforme Ap. 2:10 - "Sê fiel até para a morte, e dar-te-ei a coroa da vida." Eles têm parte na primeira ressurreição, mas há uma categoria de pessoas mortas que só ressuscitarão após os mil anos do governo de Cristo.
Participarão do Reino Milenar do "Grande Rei" apenas os santos, ou seja, que foram dotados de corpos imortais após o arrebatamento, os judeus que estiverem vivos quando começar o milênio, e os outros povos, nações e tribos que restarem na superfície da Terra depois do Armagedom. Neste tempo, a população estará tão reduzida, especialmente os homens, que, sete mulheres implorarão para se casarem com um homem conforme Is. 4:1 _ "Sete mulheres naquele dia lançarão mão dum só homem, dizendo: nós comeremos do nosso pão, e nos vestiremos de nossos vestidos; tão somente queremos ser chamadas pelo teu nome; tira o nosso opróbrio." Também em Is. 13: 11 e 12 - "E visitarei sobre o mundo a sua maldade, e sobre os ímpios a sua iniquidade; e farei cessar a arrogância dos atrevidos, e abaterei a soberba dos cruéis. Farei que os homens sejam mais raros do que o ouro puro, sim mais raros do que o ouro fino de Ofir."
Haverá, então, o julgamento das nações vivas conforme Mt. 25: 31 a 34 - "Quando, pois vier o Filho do homem na sua glória, e todos os anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória; e diante dele serão reunidas todas as nações; e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos; e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos à esquerda. Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: vinde, benditos de meu Pai. Possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo."
Durante mil anos, o Grande Rei restaurará a Terra e haverá plena justiça e paz conforme Is. 2: 4 - "E ele julgará entre as nações, e repreenderá a muitos povos; e estes converterão as suas espadas em relhas de arado, e as suas lanças em foices; uma nação não levantará espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerra." Mas depois dos mil anos Satanás será novamente solto e fará uma grande campanha entre diversos povos para lutar contra o Grande Rei. Haverá, então, a última batalha sobre a Terra, pois embora Satanás tenha perdido o seu poder durante o milênio, o pecado não foi erradicado do coração dos homens que permaneceram habitando a Terra em seus corpos mortais. Esta será a purificação final do planeta, pois ainda haverá quem dê crédito a Satanás. Gogue e Magogue nesse contexto de apocalipse 20 é uma referência ao próprio Diabo e a um homem possuído por ele. 
Ao final ocorre a ressurreição dos mortos, e todos os povos estão agora diante do trono de Deus para serem julgados. Abrem-se diversos livros, ao que parece, há livros de registros de todos os feitos dos homens, como há o livro da vida que registra os nomes dos eleitos antes da fundação do mundo.
Gloria in excelsis Deo!

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LX

At. 2: 17 a 20 - "E acontecerá nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre toda a carne; e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos mancebos terão visões, os vossos anciãos terão sonhos; e sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e eles profetizarão. E mostrarei prodígios em cima no céu; e sinais embaixo na terra, sangue, fogo e vapor de fumaça. O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e glorioso dia do Senhor."
A expressão "últimos dias" é uma referência ao tempo do fim de uma era, de um ciclo, de uma dispensação. Indica os sinais previstos para a última semana da profecia de Daniel, a saber, a septuagésima semana. Haverá grande anúncio do evangelho, também muitas pessoas de diferentes idades receberão revelações sobre a verdade. Aqueles que conhecem a Deus falarão incessantemente sobre o evangelho da graça, pois é este o sentido de profetizar no texto de Joel citado em Atos 2. Deus mostrará o seu eterno poder, abalando as potencias do firmamento, e os fundamentos da Terra serão abalados por meio de diversos sinais e juízos. O Sol, de acordo com a visão de alguém que está na Terra, escurecerá, a Lua ficará, aos olhos de alguém na superfície terrestre, vermelha. São apenas fenômenos ópticos para quem vê estes astros a partir da Terra. Não significa que o Sol apagará a sua luz, e que a Lua será tingida de vermelho. Tudo o que acontece na atmosfera terrestre, desde a presença de poluentes até a concentração de certos gases, ofusca e altera a visibilidade do que está fora da Terra.
Ap. 20: 1 a 3 - "E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo e uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e o amarrou por mil anos. Lançou-o no abismo, o qual fechou e selou sobre ele, para que não enganasse mais as nações até que os mil anos se completassem. Depois disto é necessário que ele seja solto por um pouco de tempo."
O apóstolo João vê descer do céu à Terra um mensageiro com a chave que abre o abismo onde está o Dragão, ou seja, Satanás. O anjo traz também uma cadeia, a saber, correntes com cadeados. Satanás, Dragão, ou a antiga Serpente foi preso por mil anos. O inimigo de Cristo foi preso, acorrentado, e lançado no abismo, o qual foi selado a fim de impedir a sua liberdade de enganar e mentir aos povos e nações. Este abismo é um lugar no espaço sideral onde Satanás ainda habita com seus anjos caídos. No final do milênio ele será solto da sua prisão e haverá a batalha espiritual e final, após a qual ele será derrotado e jogado no lago de fogo e enxofre eternamente.
A prisão de Satanás, por mil anos, ainda não é a definitiva, mas apenas por mil anos durante os quais a Terra será restaurada e os povos e nações que sobraram serão reorganizados e ensinados acerca da justiça e da verdade. Agora, sem a presença do mal, os homens serão mais receptivos e os governos mais equânimes e pacíficos. Este período assinala o fim de um ciclo ou de uma era regida pela natureza pecaminosa e pela mentira e engano do Diabo. Ainda não é o Reino Eterno e perfeito de Cristo e seus eleitos. Tudo será reconstruído após os escombros do que sobrou da primeira batalha do Har Meggido, ou Armagedom. Serão necessários sete meses para enterrar os mortos conforme Ez. 39:11 a 13 - "Naquele dia, darei a Gogue como lugar de sepultura em Israel, o vale dos que passam ao oriente do mar, o qual fará parar os que por ele passarem; e ali sepultarão a Gogue, e a toda a sua multidão, e lhe chamarão o Vale de Hamom-Gogue. E a casa de Israel levará sete meses em sepultá-los, para purificar a terra. Sim, todo o povo da terra os enterrará; e isto lhes servirá de fama, no dia em que eu for glorificado, diz o Senhor Deus." Este, portanto, o fim de Gogue e suas tropas! Acharão o seu destino final nas planuras de Jisreel, no vale do Megido. É um tempo de vingança dos que se levantam contra  o Grande Rei. O mais incrível é que nesse local geográfico de Israel, as aves de rapina estão pondo em média dois ovos por dia. Estão se multiplicando vertiginosamente para o grande banquete de carnes que lhes será servido no minúsculo Israel.
Gloria in excelsis Deo!

sábado, 24 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LIX

I Co. 13: 12 - "Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido."
O apóstolo Paulo está instruindo a Igreja em Corinto acerca das realidades espirituais e suas representações na dimensão humana, relativamente à Igreja visível. As Escrituras apresentam-se aos olhos dos nascidos de Deus como espelho, e enigma, mas quando se completar a construção da semelhança de Cristo neles, então os eleitos e regenerados verão face a face a realidade espiritual. O conhecimento nesta vida é parcial, porque o homem, ainda que regenerado e redimido, é carnal. O conhecimento pleno só será possível em corpo espiritual. Embora Cristo conheça os que são d'Ele plenamente, estes ainda não o conhecem em plenitude. 
Por esta razão, neste artigo, dar-se-á ênfase a alguns símbolos a fim de esclarecer um pouco os textos apocalípticas. Desta forma, pode-se resumidamente dizer que:
  1. Mulher é sempre o símbolo da igreja, podendo ser a verdadeira ou a falsa. O que difere é a maneira em que ela é caracterizada. Assim, se é revestida de luz é a verdadeira, se vestida de púrpura e escarlata, com taça de bebida, ou montada em uma besta é a falsa. A mulher grávida e com dores de parto representa a ressurreição dos que morreram em Cristo.
  2. Cavalo branco, e vestes brancas de linho puro são símbolos de retidão e pureza.
  3. Olhos como chamas de fogo é o poder de prescrutar o íntimo e ver a verdade. É uma referência a Cristo em Seu glorioso retorno.
  4. O Noivo representa o próprio Cristo em sua aliança com a Igreja.
  5. A Noiva representa a Igreja, corpo vivo de Cristo, incluindo-se a Igreja militante - que está na Terra - e a Igreja Triunfante - que está no Céu.
  6. Babilônia é sempre um sistema, ou uma cidade onde prevalece o sistema do engano, do misticismo, da mentira, e do comércio.
  7. Reis são sempre símbolos de governos reais, do passado, ou do futuro.
  8. Águas representam nações, povos, tribos, ou multidões.
  9. Prostituição, ou prostituta representa um sistema religioso adulterado, pervertido, idólatra e associado ao poder do Estado.
  10. Chifres representam sempre poder político, econômico e social.
  11. Cabeças representam sempre lideres, chefes, comandantes.
  12. Meretriz representa uma falsa religião, que se vende pelo poder.
  13. Diademas representam títulos e direitos, sejam verdadeiros ou falsos.
  14. Espada afiada representa a Palavra de Deus.
  15. Sangue representa sempre vingança quando aparece nas vestes de Cristo, ou assassinato quando relacionado aos santificados.
  16. Dragão sempre representa o Diabo, ou Satanás.
  17. Besta representa um ser humano específico, ou um sistema mundial em diferentes épocas da história.
  18. Falso profeta representa uma liderança religiosa comandada por Satanás.
As pessoas que apenas leem a Bíblia, não possuindo uma determinada cultura bíblica, sentem um pouco de confusão diante de tantos símbolos. Todavia, a maior parte destes se entende pelo contexto, e pela sequência dos ensinos. Acrescenta-se ainda, que de nada adianta ao homem natural saber, e mesmo conhecer o significado dos símbolos, se não houver revelação espiritual dos seus significados. A mera compreensão intelectual das Escrituras sem que elas produzam a fé, de nada aproveita, conforme Hb. 2:4b - "...mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não chegou a ser unida com a fé, naqueles que a ouviram." É exatamente a falta desta realidade espiritual que tem produzido muito orgulho religioso, soberba e arrogância. Os verdadeiros eleitos e regenerados não estão à cata de fama, prestígio, e poder eclesial. A graça de Cristo é bastante, e superabundante a eles.
Gloria in excelsis Deo!

ESCATOLOGIA LVIII

Zc. 2: 8 a 12 - "Pois assim diz o Senhor dos exércitos: para obter a glória ele me enviou às nações que vos despojaram; porque aquele que tocar em vós toca na menina do seu olho. Porque eis aí levantarei a minha mão contra eles, e eles virão a ser a presa daqueles que os serviram; assim sabereis vós que o Senhor dos exércitos me enviou. Exulta, e alegra-te, ó filha de Sião; pois eis que venho, e habitarei no meio de ti, diz o Senhor. E naquele dia muitas nações se ajuntarão ao Senhor, e serão o meu povo; e habitarei no meio de ti, e saberás que o Senhor dos exércitos me enviou a ti. Então o Senhor possuirá a Judá como sua porção na terra santa, e ainda escolherá a Jerusalém. Cale-se, toda a carne, diante do Senhor; porque ele se levantou da sua santa morada."
Deus tem um "supremo propósito" e por meio dos seus "decretos eternos" Ele os cumpre, independentemente das opiniões, posições e ilações humanas. Tem-se que as Escrituras são fieis e verdadeiras, portanto, os que foram conhecidos de antemão, predestinados, chamados, justificados, e glorificados, sabem que as palavras de Deus se cumprem cabalmente. 
Não se pode reduzir a vontade de Deus aos desejos humanos; não se pode relativizar os decretos divinos às postulações científicas; não se pode submeter os propósitos do Eterno aos julgamentos de cunho forense. As Escrituras não foram deixadas para serem discutidas, mas para serem cridas, pois elas não se prestam aos exercícios filosóficos. Na esfera espirital, não há ponderação média: ou se crê, ou não se crê nelas!  Sabendo-se que, o crer, ou o não crer, não é opção humana, mas depende da graça ou ausência da graça para tanto. Todavia, tanto o que recebe a graça para crer, como o que não a recebe, e, por isso, não pode crer, cumprem da mesma forma os desígnios de Deus conforme Rm. 9: 18 a 23 - "Portanto, tem misericórdia de quem quer, e a quem quer endurece. Dir-me-ás então. Por que se queixa ele ainda? Pois, quem resiste à sua vontade? Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: por que me fizeste assim? Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para uso honroso e outro para uso desonroso? E que direis, se Deus, querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para a perdição; para que também desse a conhecer as riquezas da sua glória nos vasos de misericórdia, que de antemão preparou para a glória..."
A tudo isto dá-se o nome de Soberania, porém, o homem natural não a compreende, não a recebe, e não a suporta.
Ap. 19:10 a 21 - "Então me lancei a seus pés para adorá-lo, mas ele me disse: olha, não faças tal: sou conservo teu e de teus irmãos, que têm o testemunho de Jesus; adora a Deus; pois o testemunho de Jesus é o espírito da profecia. E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava montado nele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga a peleja com justiça. Os seus olhos eram como chama de fogo; sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. Estava vestido de um manto salpicado de sangue; e o nome pelo qual se chama é o Verbo de Deus. Seguiam-no os exércitos que estão no céu, em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro. Da sua boca saía uma espada afiada, para ferir com ela as nações; ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso. No manto, sobre a sua coxa tem escrito o nome: Rei dos reis e Senhor dos senhores. E vi um anjo em pé no sol; e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: vinde, ajuntai-vos para a grande ceia de Deus, para comerdes carnes de reis, carnes de comandantes, carnes de poderosos, carnes de cavalos e dos que neles montavam, sim, carnes de todos os homens, livres e escravos, pequenos e grandes. E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos para fazerem guerra àquele que estava montado no cavalo, e ao seu exército. E a besta foi presa, e com ela o falso profeta que fizera diante dela os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e os que adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com enxofre. E os demais foram mortos pela espada que saía da boca daquele que estava montado no cavalo; e todas as aves se fartaram das carnes deles."
Esta é a diferença entre anjos fieis e anjos caídos, estes vivem a busca de adoração, aqueles a rejeitam, porque sabem que deve-se adorar apenas a Deus. Esta é a visão da vitória definitiva e última de Cristo. Apenas Ele é fiel e verdadeiro, em cuja cabeça estão as coroas das quais é digno por herança. A sua boca profere a verdade em justiça, por isso, seus olhos são, perante os pecadores como chamas de fogo que tudo penetra.
As vestes do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo estão salpicadas do sangue dos que mataram os inocentes e santificados. Da sua boca sai uma espada afiada, a saber, a sua fiel e justa palavra, com a qual proferirá a condenação aos servos de Satanás. Ainda que certas seitas falsamente chamadas de cristãs neguem a condenação eterna, Cristo deixou claro, por diversas vezes, que ela é real. Estas seitas pretendem ser mais justas que o Justo juiz.
É um texto que mostra a vingança de Deus contra todos os que satisfizeram suas naturezas pecaminosas na mentira religiosa, no engano de doutrinas aparentemente corretas, e nos desejos de serem perfeitos e justos aos seus próprios olhos.
É a cena da última e grande batalha do Harmeggidon, ou Armagedom que se dará nas planícies de Jesreel.  
Gloria in excelsis Deo!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LVII

Lc. 21: 1 a 19 - "Perguntaram-lhe então: mestre, quando, pois, sucederão estas coisas? E que sinal haverá, quando elas estiverem para se cumprir? Respondeu então ele: acautelai-vos; não sejais enganados; porque virão muitos em meu nome, dizendo: Sou eu; e o tempo é chegado; não vades após eles. Quando ouvirdes de guerras e tumultos, não vos assusteis; pois é necessário que primeiro aconteçam essas coisas; mas o fim não será logo. Então lhes disse: levantar-se-á nação contra nação, e reino contra reino; e haverá em vários lugares grandes terremotos, e pestes e fomes; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu. Mas antes de todas essas coisas vos hão de prender e perseguir, entregando-vos às sinagogas e aos cárceres, e conduzindo-vos à presença de reis e governadores, por causa do meu nome. Isso vos acontecerá para que deis testemunho. Proponde, pois, em vossos corações não premeditar como haveis de fazer a vossa defesa; porque eu vos darei boca e sabedoria, a que nenhum dos vossos adversário poderá resistir nem contradizer. E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e matarão alguns de vós; e sereis odiados de todos por causa do meu nome. Mas não se perderá um único cabelo da vossa cabeça. Pela vossa perseverança ganhareis as vossas almas."
Nos últimos tempos tem-se falado muito sobre o "fim do mundo". Diversos filmes de Hollywood teorizam sobre uma catástrofe mundial que porá fim à Terra. Tentam desviar a verdade do evangelho para fenômenos naturais e corpos vindos do espaço que se chocarão com a Terra. Apelam para calendário do povo pré-colombiano, os maias, dando-lhe as interpretações que deduzam por conta própria. Apelam para previsões de videntes, runas, búzios, tarôs, e assemelhados a fim de estabelecer acontecimentos futuros. Tudo isto é o desespero do homem para controlar o tempo e os acontecimentos, segundo a sua teologia humanista. Este sempre foi o sonho do homem: ser "deus" e agir independentemente. As Escrituras indicam uma verdade absolutamente oposta a este desejo. 
A posição cristã mostrada nas Escrituras é uma só: não há fim do mundo, mas o fim de uma era, a qual é chamada de período da graça. Após esta fase virá o período da tribulação, e em seguida, o período dos juízos divinos por meio da grande tribulação. 
Vê-se pelo texto de abertura que os discípulos estavam preocupados acerca dos eventos escatológicos. Entretanto, a resposta do Mestre Jesus, o Cristo foi enfática: vão aparecer muitos por aí dizendo que sou eu, porém não se enganem. Ele fornece todos os sinais que antecederão a sua manifestação, primeiramente invisível à sua Igreja no arrebatamento, e, posteriormente, a sua 'parousia' visível ao mundo para julgamentos. Cristo acrescenta, ainda, que os eleitos e regenerados serão presos, perseguidos, conduzidos perante autoridades para responder interrogatórios. Tudo isto, não ocorrerá por causa de quaisquer coisas moral que os nascidos de Deus tenha feito, ou deixado de fazer, mas tão-somente por causa do evangelho e do testemunho do nome de Jesus, o Cristo. Ele deixa claro que até os familiares mais próximos, e os amigos mais chegados entregarão os cristãos nesse tempo. Muitos serão assassinados e haverá ódio por parte de todos por causa do nome d'Ele. Todavia, deixa claro que as suas almas serão resgatadas e viverão eternamente. O ódio de Satanás é contra Cristo, pois Ele é o verdadeiro Filho de Deus e o único Rei Eterno. Esta glória não pode ser transferida a outro em todo o Universo.
Ap. 19: 1 a 9 - "Depois destas coisas, ouvi no céu como que uma grande voz de uma imensa multidão, que dizia: aleluia! A salvação e a glória e o poder pertencem ao nosso Deus; porque verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande prostituta, que havia corrompido a terra com a sua prostituição, e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos. E outra vez disseram: aleluia. E a fumaça dela sobe pelos séculos dos séculos. Então os vinte e quatro anciãos e os quatro seres viventes prostraram-se e adoraram a Deus que está assentado no trono, dizendo: amém. Aleluia! E saiu do trono uma voz, dizendo: louvai o nosso Deus, vós, todos os seus servos, e vós que o temeis, assim pequenos como grandes. Também ouvi uma voz como a de grande multidão, como a voz de muitas águas, e como a voz de fortes trovões, que dizia: aleluia! porque já reina o Senhor nosso Deus, o Todo-Poderoso. Regozijemo-nos, e exultemos, e demos-lhe a glória; porque são chegadas as bodas do Cordeiro, e já a sua noiva se preparou, e foi-lhe permitido vestir-se de linho fino, resplandecente e puro; pois o linho fino são as obras justas dos santos. E disse-me: escreve: bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. Disse-me ainda: estas são as verdadeiras palavras de Deus."
Depois dos eventos que culminarão com a destruição do governo do Anticristo, do Falso Profeta, e do Dragão, Cristo retornará com poder e grande glória para dar início ao reino eterno. A "grande prostituta", a saber, um sistema religioso mundial, primeiramente com sede em Roma, e depois na Mesopotâmia, terá sido esmagado totalmente. Este sistema vem corrompendo o mundo há milênios, além de perseguir e matar os verdadeiros cristãos. 
Nesta visão João testemunha em espírito um grandioso culto de louvor e adoração nos céus, reconhecendo todo o poder e majestade do Eterno. 
Agora se aproxima a grande festa do Cordeiro de Deus que retirou o pecado do mundo. São as suas bodas com a noiva, a saber, a Igreja verdadeira e eterna que não se reduz a instituições religiosas criadas por homens. A Igreja formada apenas pelos eleitos e regenerados pela Graça. Por todos que foram inscritos no livro da vida do Cordeiro. Estes se assentarão à mesa para cear e beber o fruto da vide com Ele.
Gloria in excelsis Deo!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LVI

II Ts. 2: 1 a 10 - "Ora, quanto à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele, rogamos-vos, irmãos, que não vos movais facilmente do vosso modo de pensar, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola como enviada de nós, como se o dia do Senhor estivesse já perto. Ninguém de modo algum vos engane; porque isto não sucederá sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição, aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, apresentando-se como Deus. Não vos lembrais de que eu vos dizia estas coisas quando ainda estava convosco? E agora vós sabeis o que o detém para que a seu próprio tempo seja revelado. Pois o mistério da iniquidade já opera; somente há um que agora o detém até que seja posto fora; e então será revelado esse iníquo, a quem o Senhor Jesus matará como o sopro de sua boca e destruirá com a manifestação da sua vinda; a esse iníquo cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás com todo o poder e sinais e prodígios de mentira, e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para serem salvos."
O apóstolo Paulo está doutrinando a Igreja em Tessalônica acerca dos acontecimentos do tempo do fim. Alerta aos eleitos e regenerados sobre a manifestação do Anticristo, aqui chamado de "filho da perdição", "homem do pecado", aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus. Ele mesmo se apresentará como sendo Deus, pois este sempre foi o intento de Satanás.
Paulo mostra que apenas há um que detém este homem que servirá de corpo físico para Satanás. O que o detém é o Espírito Santo que opera por meio da Igreja visível e militante na Terra. Quando houver o arrebatamento da Igreja, a forma de operação do Espírito Santo mudará e, então haverá a revelação visível do Anticristo. A operação do erro e da mentira já opera desde o século primeiro da era cristã, porém de modo velado. A vinda e a operação deste filho do iníquo será segundo o modo de operar de Satanás conforme o texto, ou seja, com base na mentira e no engano. Entretanto, tais mentiras e enganos atingirão e satisfarão apenas aos que perecem, a saber, os que não receberam graça para crer. É uma questão monérgica, a saber, da ação direta e exclusiva de Deus, não da vontade, ou mesmo do comportamento moral do homem decaído.
Ap. 18: 11 a 24 - "E sobre ela choram e lamentam os mercadores da terra; porque ninguém compra mais as suas mercadorias: mercadorias de ouro, de prata, de pedras preciosas, de pérolas, de linho fino, de púrpura, de seda e de escarlata; e toda espécie de madeira odorífera, e todo objeto de marfim, de madeira preciosíssima, de bronze, de ferro e de mármore; e canela, especiarias, perfume, mirra e incenso; e vinho, azeite, flor de farinha e trigo; e gado, ovelhas, cavalos e carros; e escravos, e até almas de homens. Também os frutos que a tua alma cobiçava foram-se de ti; e todas as coisas delicadas e suntuosas se foram de ti, e nunca mais se acharão. Os mercadores destas coisas, que por ela se enriqueceram, ficarão de longe por medo do tormento dela, chorando e lamentando, dizendo: ai! ai da grande cidade, da que estava vestida de linho fino, de púrpura, de escarlata, e adornada com ouro, e pedras preciosas, e pérolas! porque numa só hora foram assoladas tantas riquezas. E todo piloto, e todo o que navega para qualquer porto e todos os marinheiros, e todos os que trabalham no mar se puseram de longe; e, contemplando a fumaça do incêndio dela, clamavam: que cidade é semelhante a esta grande cidade? E lançaram pó sobre as suas cabeças, e clamavam, chorando e lamentando, dizendo: ai! ai da grande cidade, na qual todos os que tinham naus no mar se enriqueceram em razão da sua opulência! porque numa só hora foi assolada. Exulta sobre ela, ó céu, e vós, santos e apóstolos e profetas; porque Deus vindicou a vossa causa contra ela. Um forte anjo levantou uma pedra, qual uma grande mó, e lançou-a no mar, dizendo: com igual ímpeto será lançada Babilônia, a grande cidade, e nunca mais será achada. E em ti não se ouvirá mais o som de harpistas, de músicos, de flautistas e de trombeteiros; e nenhum artífice de arte alguma se achará mais em ti; e em ti não mais se ouvirá ruído de mó; e luz de candeia não mais brilhará em ti, e voz de noivo e de noiva não mais em ti se ouvirá; porque os teus mercadores eram os grandes da terra; porque todas as nações foram enganadas pelas tuas feitiçarias. E nela se achou o sangue dos profetas, e dos santos, e de todos os que foram mortos na terra."
No contexto anterior de Apocalipse 18, viu-se que Babilônia, e a mulher vestida de escarlate são símbolos de um sistema religioso, político e comercial. Entretanto, quando se refere à "grande cidade" é uma cidade real onde todos estes eventos ocorrerão. Funcionará como um centro mundial de decisões internacionais controlado pelo governo do Anticristo. Viu-se ainda que esta grande cidade estará inicialmente em Roma, mas depois será transferido para a Mesopotâmia. Os governantes chamados de reis nos textos, porque à época não haviam repúblicas como hoje, se fartarão das riquezas e das benesses da grande meretriz. Por isso, quando ela ruir e for destruída, eles chorarão e se lamentarão. Os desejos e as cobiças resultantes de almas não regeneradas estarão agora frustrados. Ao que parece a destruição será por algo extremamente contagiante, pois haverá grande tormento. Alguns imaginam que sejam utilizadas armas nucleares.
O texto mostra que tal destruição resulta de uma ação direta das forças do Anticristo, mas tudo confirma a vontade de Deus. O sistema foi absolutamente devastado e extinto eternamente, pois nunca mais haverá outro igual. Tal sistema seduziu e enfeitiçou todos na Terra pelos desejos da alma não regenerada, sendo isto denominado de feitiçarias. 
Neste sistema foi achada a culpabilidade das mortes e assassinatos de todos os que pertenciam a Cristo. Ela os eliminou ao longo da história, e mais fortemente nos últimos tempos, quando a ela foi dado o controle total para a sua própria perdição.
Gloria in excelsis Deo!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LV

I Jo. 2: 18 e 19 - "Filhinhos, esta é a última hora; e, conforme ouvistes que vem o anticristo, já muitos anticristos se têm levantado; por onde conhecemos que é a última hora. Saíram dentre nós, mas não eram dos nossos; porque, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; mas todos eles saíram para que se manifestasse que não são dos nossos."
Os primeiros discípulos tinham ouvido as profecias veterotestamentárias sobre o advento de anticristos, ou seja, que pretendem ocupar o lugar de Cristo. Estes tais são todos os que, não só, negam a Cristo como único justificador, mas também buscam a centralidade da justificação no homem. Assim, todas as propostas de redenção fora da cruz e de Cristo são posturas anticristãs. É importante verificar nos tempos atuais que muitas seitas e diversas crendices se apresentam como cristãs. Entretanto, elas concebem o que bem entendem a respeito de Cristo, transtornando o seu evangelho. Algumas delas compilam um evangelho de segunda mão, posto que, em parte deriva do verdadeiro evangelho, mas, em parte resulta de concepções humanistas e gnósticas. A última hora referida pelo apóstolo João, é uma expressão indicativa da aproximação dos eventos que resultarão nos juízos de Deus, e na restauração de todas as coisas, no retorno do "Grande Rei". Entretanto, tal não ocorrerá sem que antes culmine com intensas atividades místicas relacionadas ao mal, tendo aparência de verdade. Estas práticas se apresentam ao mundo como bem engajadas em programas humanitários, são politicamente corretas, são universalistas, e com um forte apelo ético. Ganham a simpatia de quase todos rapidamente, porque procuram agradar ao homem naquilo em que ele é mais fragilizado. Oferecem uma macrovisão que  contempla diversas possibilidades de solução à miséria, ao sofrimento, e à purificação.
Verifica-se ainda que os tais anticristos saem do meio cristão verdadeiro e não de cultos tidos como diabólicos, ou satânicos. Estes são os que se apostataram da fé, mas não se apostataram das igrejas e religiões. Estes são o joio apontado por Cristo, pois o que é falso não permanece para sempre em meio ao verdadeiro. A verdade lhes é insuportável, e eles sempre buscam meios de modificá-la e readaptá-la aos seus interesses e desejos almáticos. Judas fala muito claramente acerca deles em sua epístola.
Ap. 18: 1 a 10 - "Depois destas coisas vi descer do céu outro anjo que tinha grande autoridade, e a terra foi iluminada com a sua glória. E ele clamou com voz forte, dizendo: caiu, caiu a grande Babilônia, e se tornou morada de demônios, e guarida de todo espírito imundo, e guarida de toda ave imunda e detestável. Porque todas as nações têm bebido do vinho da ira da sua prostituição, e os reis da terra se prostituíram com ela; e os mercadores da terra se enriqueceram com a abundância de suas delícias. Ouvi outra voz do céu dizer: sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos sete pecados, e para que não incorras nas suas pragas. Porque os seus pecados se acumularam até o céu, e Deus se lembrou das iniquidades dela. Tornai a dar-lhe como também ela vos tem dado, e retribuí-lhe em dobro conforme as suas obras; no cálice em que vos deu de beber dai-lhe a ela em dobro. Quanto ela se glorificou, e em delícias esteve, tanto lhe dai de tormento e de pranto; pois que ela diz em seu coração: estou assentada como rainha, e não sou viúva, e de modo algum verei o pranto. Por isso, num mesmo dia virão as suas pragas, a morte, e o pranto, e a fome; e será consumida no fogo; porque forte é o Senhor Deus que a julga. E os reis da terra, que com ela se prostituíram e viveram em delícias, sobre ela chorarão e prantearão, quando virem a fumaça do seu incêndio; e, estando de longe por medo do tormento dela, dirão: ai! ai da grande cidade, Babilônia, a cidade forte! pois numa só hora veio o teu julgamento."
Neste capítulo vê-se a queda de "Babilônia, a Grande", a saber, a "a mulher vestida de purpura", e a "Grande Cidade" que representam um sistema religioso mundial associado ao poder político. Inicialmente estará em Roma, mas depois e repentinamente será levada para o Oriente Médio, na Mesopotâmia.
A expressão: "depois destas coisas" indica que uma série de acontecimentos precederam à ruína deste sistema político-religioso. Neste caso, trata-se da formação, ascensão e do domínio da Besta, do Falso Profeta, e do Dragão. Esta é uma simulação da triunidade divina, porém destinada a enganar os homens que não receberam a graça da revelação do evangelho. Eles darão pleno e total crédito a esta simulação, reconhecendo-a como sendo verdadeiramente correta. Há na natureza humana esta tendência de receber o que mais lhe é tido por justo e bom, conforme previsões do próprio Cristo em Jo. 5:43 - "Eu vim em nome de meu Pai, e não me recebeis; se outro vier em seu próprio nome, a esse recebereis." Do tempo de Jesus, o Cristo para cá, nada se alterou nesta tendência.
Estas coisas antecedentes citadas de modo genérico no texto são: 
  1. Guerras, tumultos e revoltas.
  2. Aparecimento de um homem admirado e idolatrado por todos em função da sua grande capacidade operacional em solucionar crises e problemas socioeconômicos. A este, o texto escriturístico chama de Anticristo, e de Besta que surgiu do mar.
  3. Grandes avanços nas ciências, acordos de paz, e tratados internacionais que trarão grande prosperidade material.
  4. Construção de um centro de adoração e comércio no que é hoje o Iraque, e que foi a antiga Babilônia.
O contexto do capítulo 18 de Apocalipse indica uma rara e admirável convergência entre o cristianismo histórico, nominal e falso em direção ao islamismo e outras religiões orientais. Ainda que inimigos seculares se aliarão no final para dar suporte ao sistema do Anticristo, da Besta e do Dragão.
Gloria in excelsis Deo!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LIV

I Tm. 4: 1 e 2 - "Mas o Espírito expressamente diz que em tempos posteriores alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras e têm a sua própria consciência cauterizada..."
Não há dúvidas que estes tempos já chegaram, pois a maioria dos religiosos está, de fato, virando as costas à verdade. Hoje dão-se ouvidos a qualquer manifestação sobrenatural sem consultar a sua origem, e as Escrituras. O engano é aquilo que mais se aproxima da verdade, porém não é a verdade. As denominadas doutrinas de demônios correspondem a tudo o que não está fundamentado na "Rocha Eterna". Tudo o que coloca o foco no homem é enganoso e enganador, porque "enganoso é o coração mais do que todas as coisas e desesperadamente corrupto..." 
É fundamental verificar no texto, que é o Espírito Santo quem revela tais verdades acerca da mentira religigiosa. Estes tempos posteriores é uma referência aos tempos finais deste ciclo da história humana. Apostatar-se é afastar-se de alguém ou de alguma coisa, ou pessoa. Verifica-se que os "alguns" irão se afastar da fé, mas não da religião, ou mesmo, da Igreja. Os espíritos enganadores, obviamente, são espíritos de demônios, a saber, anjos caídos. Muitas das revelações, profecias, milagres, e maravilhas que as pessoas creditam a Deus são, na verdade, originadas destes espíritos, e dos poderes latentes da alma. Como são coisas reputadas como boas, imediatamente são atribuídas a Ele, quando na verdade são operadas pelo espírito do erro e do engano.
A cauterização da consciência é um processo típico dos tempos que transcorrem, pois as pessoas buscam uma religião de segunda mão. Por esta razão, suas mentes só recebem aquilo que lhes foi incutido por terceiros, os quais eles têm como verdadeiros mensageiros, ou enviados de Deus. São líderes inescrupulosos, ou bem intencionados, mas que não portam a verdade vinda do alto. A verdade não é uma mera concepção doutrinária, mas uma pessoa, a saber, Cristo.
Ap. 17: 7 a 18 - "Ao que o anjo me disse: por que te admiraste? Eu te direi o mistério da mulher, e da besta que a leva, a qual tem sete cabeças e dez chifres. A besta que viste era e já não é; todavia está para subir do abismo, e vai-se para a perdição; e os que habitam sobre a terra e cujos nomes não estão escritos no livro da vida desde a fundação do mundo se admirarão, quando virem a besta que era e já não é, e que tornará a vir. Aqui está a mente que tem sabedoria. As sete cabeças são sete montes, sobre os quais a mulher está assentada; são também sete reis: cinco já caíram; um existe; e o outro ainda não é vindo; e quando vier, deve permanecer pouco tempo. A besta que era e já não é, é também o oitavo rei, e é dos sete, e vai-se para a perdição. Os dez chifres que viste são dez reis, os quais ainda não receberam o reino, mas receberão autoridade, como reis, por uma hora, juntamente com a besta. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os que estão com ele, os chamados, e eleitos, e fiéis. Disse-me ainda: as águas que viste, onde se assenta a prostituta, são povos, multidões, nações e línguas. E os dez chifres que viste, e a besta, estes odiarão a prostituta e a tornarão desolada e nua, e comerão as suas carnes, e a queimarão no fogo. Porque Deus lhes pôs nos corações o executarem o intento dele, chegarem a um acordo, e entregarem à besta o seu reino, até que se cumpram as palavras de Deus. E a mulher que viste é a grande cidade que reina sobre os reis da Terra."
Agora o mensageiro celeste está explicando ao apóstolo João o significado de cada coisa na revelação sobre a falsa igreja, sobre os reinos, governos, e poderes que se unirão para combater Cristo. 
A Besta que carrega a mulher é um sistema sob o comando de um homem que, sofrerá algum golpe mortal, mas reviverá para impressionar os decaídos. Trata-se de um simulacro da morte e da ressurreição de Cristo. O objetivo é enganar os povos no sentido de apresentar-se como o Messias, ou o Salvador do mundo. Os adoradores da Besta são pessoas que não foram eleitas e predestinadas, pois os seus nomes não constam do Livro da do Cordeiro. Alguns imaginam que a tal besta seja um sistema baseado em um império que já existiu, mas que voltará a existir no tempo do fim.
As sete cabeças são sete montes sobre os quais está assentada, ou edificada uma cidade onde a falsa igreja tem a sua sede. Também os sete montes representam sete domínios, reinos, impérios, ou países. Cinco deles já deixaram de existir ao longo da história. Neste caso é uma alusão aos impérios do Egito, Assíria, Babilônia, Pérsia e Grécia. O Império Romano existiu no tempo do apóstolo João, mas o outro domínio ainda virá, pois é o império do Anticristo. Este domínio terá curta duração, pois corresponde a septuagésima semana da profecia de Daniel. Isto equivale a sete anos, porém ele terá domínio completo apenas por três anos e meio, quarenta e dois meses, ou mil duzentos e sessenta dias. 
O oitavo reino, ou domínio é o próprio reino espiritual de Satanás que se encarnará no Anticristo. Porém será destruído pela vinda gloriosa de Cristo pessoalmente. Satanás estará no controle de forças espirituais, mas dominando sobre o Império Romano renascido, e dividido em dez governos. Estes dez reinos terão curtíssima duração, porque o propósito deles é entregar todo o controle a Satanás. 
Será um tempo de muita turbulência, pois governos surgirão, e cairão a todo instante. As águas representam as nações, povos e tribos sob o fascínio do Falso Profeta, que é a Besta que subiu da Terra. Este sistema religioso enganará e causará muito interesse entre os povos por conta dos fenômenos que fará acontecer. Entretanto, no final o Anticristo que é o corpo físico de Satanás consumirá a falsa igreja, destruindo-a. Ele mesmo se apresentará como "deus" e exigirá adoração. É sabido que a tal mulher prostituta tem uma sede em uma cidade edificada sobre sete montes. A única cidade do mundo que é sede de um grande poder religioso e comercial, e que se acha construída sobre sete montes é Roma. Os montes são conhecidos como: Palatino, Aventino, Campidoglio, Quirinale, Viminale, Esquilino, e Celio.
Gloria in excelsis Deo!

domingo, 18 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LIII

Ez. 39: 1 a 5 - "Tu, pois, ó filho do homem, profetiza contra Gogue, e dize: assim diz o Senhor Deus: eis que eu sou contra ti, ó Gogue, príncipe e chefe de Meseque e Tubal; e te farei virar e, conduzindo-te, far-te-ei subir do extremo norte, e te trarei aos montes de Israel. Com um golpe tirarei da tua mão esquerda o teu arco, e farei cair da tua mão direita as tuas flechas. Nos montes de Israel cairás, tu e todas as tuas tropas, e os povos que estão contigo; e às aves de rapina de toda espécie e aos animais do campo te darei, para que te devorem. Sobre a face do campo cairás; porque eu falei, diz o Senhor Deus."
O homem natural, invariavelmente, deturpa a verdade em benefício de uma segunda  opinião concebida e desenvolvida pelos sistemas religiosos. Nestes sistemas há forte influência maniqueísta, pois atribuem o que é considerado bom a um "deus", ou forças do bem, e o que é considerado mau ao Diabo, ou  às forças malignas. Isto resulta de uma teologia humanista desenvolvida e cultivada no seio das religiões institucionais, e repassada à cultura, notadamente, a ocidental.
No texto que abre esta seção vê-se claramente, que, embora líderes mundiais, chefes de forças militares, e países se voltem contra Israel, entretanto, é Deus quem os conduz para perdição deles mesmos. Isto é parte dos juízos d'Ele contra a natureza pecaminosa não removida pela Graça, por meio da fé. Estes povos citados já foram identificados em artigos anteriores, más é curioso o fato de haver uma perfeita fidelidade dos textos à realidade. Ao aprofundar as pesquisas antropológicas, descobre-se que tais nomes, como: Gogue, Magogue, Meseque, Tubal, Togarma, Gômer, por exemplo, são todos dos ancestrais dos atuais países situados ao norte de Israel. Também, se for traçada uma linha da capital russa - Moscou - até Jerusalém, capital de Israel, fica evidente que aquela localiza-se exatamente no extremo norte desta. 
Ap. 17: 1 a 7 - "Veio um dos sete anjos que tinham as sete taças, e falou comigo, dizendo: vem, mostrar-te-ei a condenação da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas; com a qual se prostituíram os reis da terra; e os que habitam sobre a terra se embriagaram com o vinho da sua prostituição. Então ele me levou em espírito a um deserto; e vi uma mulher montada numa besta cor de escarlata, que estava cheia de nomes de blasfêmia, e que tinha sete cabeças e dez chifres. A mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, e adornada de ouro, pedras preciosas e pérolas; e tinha na mão um cálice de ouro, cheio das abominações, e da imundícia da prostituição; e na sua fronte estava escrito um nome simbólico: a grande Babilônia, a mãe das prostituições e das abominações da terra. E vi que a mulher estava embriagada com o sangue dos santos e com o sangue dos mártires de Jesus. Quando a vi, maravilhei-me com grande admiração. Ao que o anjo me disse: por que te admiraste? Eu te direi o mistério da mulher, e da besta que a leva, a qual tem sete cabeças e dez chifres."
A grande prostituta que se assenta sobre muitas águas é uma alusão alegórica à um sistema religioso, a saber, uma falsa igreja que domina sobre muitos povos. A este sistema estarão unidos e associados, por jogo político, muitos líderes de diversos países. É o casamento, ou aliança entre o Estado e a religião. É afirmado que o povo, isto é, as populações estão embriagadas com o vinho da prostituição desta igreja. Sabe-se que, biblicamente, prostituição é uma figura que indica infidelidade, por vender e trocar a verdade pela mentira. 
Vê-se ainda, pelo texto, que a falsa igreja está montada sobre a Besta, trajando roupas vermelhas, e mantém títulos de arrogância cujo foco é o homem e não Cristo. A falsa igreja está consorciada à política e apoia-se na Besta que surgiu do mar, e nos dez governantes oriundos das nações neolatinas, ou seja, originárias do Império Romano. A tal igreja do sistema humanista possui grande pompa e circunstância, mas não possui a verdade. Ela é a "A Grande Babilônia, a mãe das prostituições e das abominações da Terra." Isto implica em que tal sistema teológico elaborou um ensino dissociado da cruz, de Cristo e da verdade. Este sistema, pelo visto, será responsável pelo assassinato dos eleitos e regenerados durante a tribulação,  os quais não se dobrarão aos seus ensinos, dogmas, preceitos, normas e regras. Por isso, ela está embriaga pelo sangue dos santificados em Cristo. 
O apóstolo João ficou absolutamente admirado com o poder, a riqueza e as condições de mentira desta igreja falsa. De fato, o falso é sempre mais faustoso, suntuoso e admirável, porque é mais realista e próximo da sensorialidade do homem. É mais fácil de ser entendido e aceito, pois estimula o apetite de poder e de auto-endeusamento que a natureza pecaminosa produz nos homens decaídos e absolutamente mortos para Deus.
O anjo, ou mensageiro, que mostrou estas coisas a João promete explicá-las e dar os significados de cada coisa. O assunto prosseguirá no próximo artigo!
Gloria in excelsis Deo!

sábado, 17 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LII

Ez. 38: 14 a 16 - "Portanto, profetiza, ó filho do homem, e dize a Gogue: assim diz o Senhor Deus: acaso naquele dia, quando o meu povo Israel habitar seguro, não o saberás tu? Virás, pois, do teu lugar, lá do extremo norte, tu e muitos povos contigo, montados todos a cavalo, uma grande companhia e um exército numeroso; e subirás contra o meu povo Israel, como uma nuvem, para cobrir a terra. Nos últimos dias hei de trazer-te contra a minha terra, para que as nações me conheçam a mim, quando eu tiver vindicado a minha santidade em ti, ó Gogue, diante dos seus olhos."
Vê-se que a grande batalha em que diversos povos estarão tentando destruir Israel não é movida pela simples vontade do homem decaído, ou mesmo pela vontade de Satanás. É o próprio Deus quem os atrairá contra Israel, uma minúscula nação, cercada por quase 200 milhões de inimigos árabes, que atravessou e venceu seis guerras desde a sua recriação na Palestina, em 1948. O propósito de Deus é mostrar quem manda no universo, pois é uma vitória absolutamente impossível a Israel, mas possível ao que lutará por ele. Gogue, como já foi demonstrado, é a Rússia, e que não estará sozinha nesta empreitada. Virão povos de uma confederação afro-árabe (reis do sul), de uma confederação do oriente (reis do leste), forças de Gog e suas companhias de exércitos (reis do norte), e do império romano redivivo (dez países de origem latina, vindos da Europa).
Ap. 16: 17 a 21 - "O sétimo anjo derramou a sua taça no ar; e saiu uma grande voz do santuário, da parte do trono, dizendo: está feito. E houve relâmpagos e vozes e trovões; houve também um grande terremoto, qual nunca houvera desde que há homens sobre a Terra, terremoto tão forte quão grande; e a grande cidade fendeu-se em três partes, e as cidades das nações caíram; e Deus lembrou-se da grande Babilônia, para lhe dar o cálice do vinho do furor da sua ira. Todas ilhas fugiram, e os montes não mais se acharam. E sobre os homens caiu do céu uma grande saraivada, pedras quase do peso de um talento; e os homens blasfemaram de Deus por causa da praga da saraivada; porque a sua praga era mui grande." 
Com o derramamento da sétima taça, pelo sétimo anjo, ou mensageiro, todos os juízos de Deus sobre a Terra e os seguidores da Besta, do Falso Profeta, e do Dragão terão sido cumpridos. O terremoto final será tão intenso que todas as cidades do mundo serão abaladas. As terras altas serão rebaixadas, as ilhas desaparecerão, além da do fogo vindo do espaço pela queda de meteoritos. Os homens estarão tão conscientes de suas condenações que não se importarão em dizer blasfêmias contra o próprio Deus. Aliás, o homem pecador sempre agiu dessa forma: quando as coisas estão bem, ele atribui o sucesso a si mesmo, quando as coisas estão muito mal, colocam a culpa em Deus. 
Todo este processo é a reconstrução de novos céus e nova Terra para que se estabeleça, finalmente, o Reino Eterno do Grande Rei. Não adiantam estes ensinos gnósticos e espiritualistas quererem amenizar as coisas, afirmando que será apenas uma depuração do planeta, e que as almas não evoluídas serão transferidas para outros mundos primitivos onde serão tratadas até atingirem a espiritualidade. As Escrituras não ensinam isto nem se forem torcidas, retorcidas, e contorcidas, como de resto eles tentam. Ao contrário, os ensinos são que haverá o juízo, a condenação eterna, e o estabelecimento do Reino de Cristo na Terra. Todo ensino que tenta dar um jeitinho na justiça divina é de origem diabólica, pois deixa o homem descansado, ou mesmo, cheio de méritos e justiças próprias. É tudo o que o Diabo quer é isto! Este sempre foi o projeto de Satanás, endeusar o homem para anular a graça e misericórdia de Deus em sua eleição, predestinação, e justificação.
A partir de agora nos capítulos 17 a 19 será mostrado o juízo e a destruição do sistema político-religioso montado por Satanás, por meio do Falso Profeta e pelo Anticristo. O Falso Profeta é chamado de "a Besta que subiu da Terra", e o Anticristo é chamado de "a Besta que subiu do mar." Ambos estão a serviço do "Grande Dragão Vermelho" que é o próprio Diabo. 
A "Grande Babilônia" é um sistema religioso mundial de características ecumênicas, ou seja, uma mistura de diversas crenças religiosas, que, no passado foram antagônicos e até inimigos. No final, todos estarão lado a lado para levar a humanidade a adoração de Satanás atrás das duas Bestas. A expressão "Grande Babilônia" procede da palavra "babilônia" que provém do  caldeu 'babil', ou seja, "portal dos deuses", e de "confusão" em língua hebraica por derivação de sentido. Foi nesse local que Ninrod construiu uma grande torre para rivalizar-se com o céu, provocando a confusão das línguas e a destruição da torre por parte de Deus. Também foi nesse local que ocorreram encarnações, manifestações, e organização de poder e ciência por parte dos Nefelim, ou seja, anjos decaídos que se misturaram às mulheres humanas conforme o capítulo seis de Gênesis.
Gloria in excelsis Deo!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

ESCATOLOGIA LI

Mt. 24:29 a 31 - "Logo depois da tribulação daqueles dias, escurecerá o Sol, e a Lua não dará a sua luz; as estrelas cairão do céu e os poderes dos céus serão abalados. Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem, e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão vir o Filho do homem sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. E ele enviará os seus anjos com grande clangor de trombeta, os quais lhe ajuntarão os escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus."
Nos capítulos oito e nove do livro do Apocalipse são retratadas as últimas pragas derramadas sobre a Terra da parte de Deus. Estas pragas são formas de exercer o juízo sobre um sistema construído pelo homem decaído sob a inspiração de Satanás. Por isso, será necessário restaurar todas as coisas e desconstruir tudo o que foi construído fora de Cristo. Serão refeitos novos céus e nova Terra. Esta obra será exercida sob o comando de Cristo sobre os seus santificados que foram eleitos e regenerados por meio da inclusão na Sua morte, e na Sua ressurreição por meio da fé.
Ap. 16: 1 a 16 - "E ouvi, vinda do santuário, uma grande voz, que dizia aos sete anjos: ide e derramai sobre a terra as sete taças, da ira de Deus. Então foi o primeiro e derramou a sua taça sobre a terra; e apareceu uma chaga ruim e maligna nos homens que tinham o sinal da besta e que adoravam a sua imagem. O segundo anjo derramou a sua taça no mar, que se tornou em sangue como de um morto, e morreu todo ser vivente que estava no mar. O terceiro anjo derramou a sua taça nos rios e nas fontes das águas, e se tornaram em sangue. E ouvi o anjo das águas dizer: justo és tu, que és e que eras, o Santo; porque julgaste estas coisas; porque derramaram o sangue de santos e de profetas, e tu lhes tens dado sangue a beber; eles o merecem. E ouvi uma voz do altar, que dizia: na verdade, ó Senhor Deus Todo-Poderoso, verdadeiros e justos são os teus juízos. O quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe permitido que abrasasse os homens com fogo. E os homens foram abrasados com grande calor; e blasfemaram o nome de Deus, que tem poder sobre estas pragas; e não se arrependeram para lhe darem glória. O quinto anjo derramou a sua taça sobre o trono da besta, e o seu reino se fez tenebroso; e os homens mordiam de dor as suas línguas. E por causa das suas dores, e por causa das suas chagas, blasfemaram o Deus do céu; e não se arrependeram das suas obras. O sexto anjo derramou a sua taça sobre o grande rio Eufrates; e a sua água secou-se, para que se preparasse o caminho dos reis que vêm do oriente. E da boca do dragão, e da boca da besta, e da boca do falso profeta, vi saírem três espíritos imundos, semelhantes a rãs. Pois são espíritos de demônios, que operam sinais; os quais vão ao encontro dos reis de todo o mundo, para os congregar para a batalha do grande dia do Deus Todo-Poderoso. Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda as suas vestes, para que não ande nu, e não se veja a sua nudez. E eles os congregaram no lugar que em hebraico se chama Armagedom."
Vê-se que o primeiro juízo foi uma chaga ruim e maligna sobre o corpo dos que têm o sinal da Besta. Isto indica alguma doença infecciosa como uma grande ferida aberta e incurável. A segunda taça é um juízo sobre as águas marítimas, tornando-as poluídas e determinando a mortandade dos organismos que nelas vivem. A terceira taça é derramada sobre as águas doces, que se tornam em sangue para vingar o sangue dos santos mortos pelo sistema da Besta na tribulação. A quarta taça afeta o Sol, fazendo que a sua luz se intensifique e queime os homens sobre a Terra. A quinta taça foi derramada diretamente sobre o centro de comando do governo da Besta, aterrorizando os seus seguidores e ideólogos do seu sistema iníquo. Tais pessoas não possuem condições de arrepender-se, ao contrário, blasfemam o nome de Deus por causa das suas dores. O sexto anjo derramou a sua taça sobre o rio Eufrates que secou-se. Tal processo faz parte de um plano para liberar milhões e milhões de espíritos imundos que comporão os exércitos que lutaram contra os santos na batalha final. O rio Eufrates encontra-se no que é hoje o Iraque e, juntamente com o rio Tigre formam a chamada Mesopotâmia, onde floresceram poderosas civilizações comprometidas com forças satânicas. A secagem do rio Eufrates visa facilitar a mobilização dos exércitos vindos o oriente, ou dos reis do oriente. Provavelmente estes exércitos serão comandados por uma confederação de países orientais sob o comando da China. 
Das bocas de Satanás, da Besta e do Falso Profeta saíram três espíritos malignos cuja missão é incentivar os governantes mundiais a se unirem para a Batalha do Armagedom. 
O Monte Meggidom [Har Meggido] fica localizado no centro-norte do Israel ladeando uma vasta planície que se estende desde o Noroeste na cidade portuária de Haifa, até as proximidades do Mar de Tiberíades. É uma vasta planície na qual por diversas vezes já se reuniram exércitos para combater Israel. Esta será, portanto, a última batalha contra a descendência de Abraão, como também, a última vez que alguém se atreverá destruir o povo de Israel. Serão surpreendidos por forças sobrenaturais comandadas por Cristo.
Gloria in excelsis Deo!