segunda-feira, 21 de novembro de 2011

ESCATOLOGIA XXXVIII

Is. 61: 1 a 3 - "O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas-novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; a apregoar o ano aceitável do Senhor e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes; a ordenar acerca dos que choram em Sião que se lhes dê uma grinalda em vez de cinzas, óleo de gozo em vez de pranto, vestidos de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantação do Senhor, para que ele seja glorificado."
No artigo anterior o foco foi dirigido as ações dos quatro cavaleiros enviados do céu com a abertura dos quatro primeiros selos. Eles não são seres malignos, mas executores das ordens do Cordeiro, a saber, Cristo. Quem gosta de questionar a vontade de Deus são homens decaídos e que se acham mais justos do que Ele. Os seres espirituais obedecem o que lhes é ordenado pelo Criador. Quando da libertação do povo hebreu do cativeiro no Egito, o anjo de Deus matou todos os filhos primogênitos das famílias dos egípcios. Foi uma ordem de Deus! Se alguém quer dar aulas de ética e moralidade para Ele, que o faça por conta e risco próprio. Estas religiões espiritualistas costumam defender Deus de Sua própria Palavra. Isto ocorre, porque tais religiosos não creem nas Escrituras como Palavra de Deus, mas apenas como uma codificação humana sobre moralidade, ou mesmo, como manual de religião. Contrariamente, os seus eleitos e regenerados, preferem crer que Ele é Soberano, Perfeito e Justo, portanto, tem todo o direito de fazer o que quer.
Ap. 6: 9 a 17 - "Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que deram. E clamaram com grande voz, dizendo: até quando, ó Soberano, santo e verdadeiro, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra? E foram dadas a cada um deles compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda por um pouco de tempo, até que se completasse o número de seus conservos, que haviam de ser mortos, como também eles o foram. E vi quando abriu o sexto selo, e houve um grande terremoto; e o sol tornou-se negro como saco de cilício, e a lua toda tornou-se como sangue; e as estrelas do céu caíram sobre a terra, como quando a figueira, sacudida por um vento forte, deixa cair os seus figos verdes. E o céu recolheu-se como um livro que se enrola; e todos os montes e ilhas foram removidos dos seus lugares. E os reis da terra, e os grandes, e os chefes militares, e os ricos, e os poderosos, e todo escravo, e todo livre, se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas; e diziam aos montes e aos rochedos: caí sobre nós, e escondei-nos da face daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro; porque é vindo o grande dia da ira deles; e quem poderá subsistir?"
Nesta cena, João está no céu, e não na Terra. Ele vê debaixo do altar as almas dos que foram mortos na "Grande Tribulação", a saber, os que pagaram o preço por serem cristãos durante o domínio do Anticristo e do seu sistema disfarçado de salvador da humanidade. João os vê debaixo do altar, porque eles ainda não estão no céu, pois não ressuscitaram, e estão aguardando a morte dos demais. Estes redimidos, clamam pela justiça divina contra os seus executores terrestres, mas a eles são dadas vestes brancas e é dito que devem repousar um pouco mais. Isto mostra que as orações e pedidos dos homens, mesmo os que são injustiçados, não modifica os "Decretos Eternos" de Deus, posto que Ele é Soberano. Toda ação de Deus é com base na Sua onisciência, onipotência, e onipresença, portanto, só Ele sabe e conhece todas as coisas. Ainda estavam faltando alguns dos eleitos antes dos tempos eternos para a redenção se completar. Estes não podem ser confundidos com a Igreja que foi arrebatada antes da "Grande Tribulação", pois nem todos os que foram arrebatados morreram por perseguições na Terra, e muito menos presenciaram o governo do Anticristo. Logo, conclui-se que são os santos da tribulação que estão clamando por justiça.
Com a abertura do sexto selo ocorrem grandes e tremendos cataclismos na natureza, não só na Terra, mas as próprias potências do espaço exterior são abaladas. Neste ponto, os incrédulos veem o trono de Deus e de Cristo nos céus e se escondem de tanto terror. É um tempo de profundo juízo sobre os que vivem na Terra e que adoram a Besta e o Falso Profeta. Estes personagens são os representantes terrenos de Satanás que ainda não foi lançado sobre a Terra. Eles serviram e amaram mais a criatura do que ao Criador. Agora não há mais eleitos e predestinados para morrer por causa do evangelho, iniciam-se os procedimentos de ira e julgamentos para purificação da Terra.
O sexto selo põe fim ao período da graça de Deus sobre a Terra, no sentido de redenção dos eleitos nos termos de Rm. 8: 29 e 30 - "Porque os que dantes conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos; e aos que predestinou, a estes também chamou; e aos que chamou, a estes também justificou; e aos que justificou, a estes também glorificou." Deus decidiu redimir os eleitos, os predestinou, determinou os meios para tal redenção, e executou os procedimentos para cumpri-la cabalmente. Portanto, o plano d'Ele é perfeito e justo!
Lc. 21: 25 e 26 - "E haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas; e sobre a terra haverá angústia das nações em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas. Os homens desfalecerão de terror, e pela expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto os poderes do céu serão abalados." Na harmonização dos textos bíblicos os fatos descritos são sempre os mesmos, embora com palavras diferenciadas. As palavras "angústia" e "perplexidade" são, respectivamente no grego neotestamentário: "agarrar-se juntamente com..." e "sem saída". Assim, assinalam um tempo de juízo, e não mais de misericórdia e graça.
Gloria in excelsis Deo!

Nenhum comentário: