domingo, 11 de janeiro de 2009

O QUE É E O QUE NÃO É APOSTASIA I

I Tm. 4:1 e 2 - "Mas o Espírito expressamente diz que em tempos posteriores alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência..." Nesta série de estudos sobre apostasia pretende-se, de modo simples, sem teologismos e sem pretensões proselitistas estabelecer alguns parâmetros escriturísticos acerca de tão urgente assunto. Estes artigos não são, e não se arvoram o ser nenhum tratado hermenêutico, exegético ou apologético. Portanto, os críticos de plantão que preferem destruir os argumentos a considerá-los na sua singeleza, perderão tempo ao refutá-los, pois o objetivo não é cativar pessoas para qualquer religião ou seita. A simples ideia de religião é por si mesma desprezível, visto que o mundo está repleto dela, e, em nada tem contribuído para a melhora da qualitativa dos homens. Contrariamente, religiosos são, geralmente, amargos, críticos, duros e cruéis para com os que erram, sem misericórdia, orgulhosos em seus sistemas de crença, azedos e desunidos. Obviamente, que esta é uma generalização a qual suporta exceções, posto que há pessoas de temperamento tratável, pessoas com algum afeto natural, pessoas que ainda se acham em dúvida, pessoas que não se definiram ainda quanto ao que crê, pessoas que estão sinceramente buscando a verdade. Entre as tais pessoas, Deus tem os seus eleitos e eles serão esclarecidos e tocados pela Graça misericordiosa do Pai a fim de que venham ao pleno conhecimento da verdade.
No texto que abre este singelo artigo vê-se e lê-se que é o Espírito Santo que mostra a apostasia. Também o texto afirma que os tais apóstatas se apostatarão da fé, mas não diz que se apostatarão da religião ou da igreja. Ainda o texto deixa claro o porquê da apostasia, qual seja, os apóstatas dão ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios. Tudo isto é o resultado de uma pregação com base na mentira e subjacente na hipocrisia de homens cuja consciência foi cauterizada. Hipocrisia é estar abaixo da crítica, isto é, que não possui nem mesmo a capacidade de refletir sobre si mesmo e sobre os seus atos próprios. Cauterização é uma ação pela qual a pessoa se torna inflexível pelo endurecimento do entendimento. Estas são pessoas que fecharam os seus filtros à verdade, porque, não podendo alcançá-la, preferem criar as suas próprias verdades a fim de impô-las aos outros e fazer cativos e adeptos mudo a fora.
Contrariamente do que se presume, os apostatas são pessoas aceitáveis, cativantes e de grande capacidade intelectual. São na religião exterior, muito sinceros e preocupados com "as coisas de Deus." São geralmente ativistas, obreiros incansáveis e líderes natos com grande poder de persuasão. Eles só não conseguem chegar ao pleno conhecimento da verdade, segundo a graça e a revelação que procede do "Pai das Luzes". São indivíduos altamente convincentes para os padrões humanistas.
Hb. 6: 4 a 6 - "Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século futuro, e recaíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério." Este texto tem causado as mais diferentes interpretações e as mais diferenciadas reações aos leitores das Escrituras. Este tem sido o maior fator gerador de apostasia, a falta de revelação do alto sobre as Escrituras. Cada um faz a sua exegese e a sua hermenêutica segundo os padrões da sua base de crença, sem consultar o que de fato Deus está falando por Sua santa Palavra. Primeiramente o texto começa com uma conjunção explicativa "porque", e, em algumas traduções "pois". Isto implica que se deve levar em conta o que está no contexto anterior. No contexto anterior se leem as seguintes palavras: "... se Deus permitir." No verso 9, no contexto posterior também se lê que dos crentes se esperavam coisas mais dignas ou melhores do que as descritas no contexto dos que foram ensinados e se desviaram da verdade.
Este é, portanto, o princípio da apostasia, ter sido ensinado ou instruído na verdade, e, após isto, voltar ao sistema da mentira no qual vivia anteriormente. Isto porque, o vocábulo "iluminados" no grego koiné, é uma tradução do hebraico "ensinar" ou "instruir". Então, este texto de Hebreus 4, não está ensinando de modo algum que crentes podem cair ou decair da fé. Mostra apenas que algumas pessoas receberam ensino correto, mas suas naturezas são inclinadas para a operação do erro. Não experimentaram o nascimento do alto, mas apenas obtiveram compreensão intelectual.

Nenhum comentário: