domingo, 3 de agosto de 2008

A DETURPAÇÃO DA GRAÇA VIII

Gl. 5: 1 a 6 - "Para a liberdade Cristo nos libertou; permanecei, pois, firmes e não vos dobreis novamente a um jogo de escravidão. Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. E de novo testifico a todo homem que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei. Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça decaístes. Nós, entretanto, pelo Espírito aguardamos a esperança da justiça que provém da fé. Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão vale coisa alguma; mas sim a fé que opera pelo amor." Se Cristo veio para libertar o pecador da escravidão do pecado, como pode alguém ainda persistir debaixo da lei, dos ritos, dos cerimoniais, dos dogmas e sacrifícios que foram criados pela lei? O homem que tem prazer em se submeter a tais preceitos e normas, ainda não experimentou, de fato, o que é a graça nos termos escriturísticos. Provavelmente, este homem ainda tem apenas um conceito puramente intelectual do que seja a graça, sendo, no máximo, um religioso.
A validação de qualquer norma da lei moral e/ou cerimonial nos termos das Escrituras determina, como consequência imediata, o desligamento de Cristo e a perda da Sua maravilhosa graça. Isto porque, ou Cristo é suficiente e eficiente para justificar, ou a lei o é. Nunca os dois ao mesmo tempo, pois Ele veio justamente para satisfazer os requisitos da lei, impossíveis de serem satisfeitos pelo homem sozinho. De modo nenhum, isto desqualifica a pureza e a sublimidade da lei. Ela é tão perfeita que nenhum homem a pode cumprir. Foi necessário que Cristo a cumprisse na cruz, afim de habilitar o pecador a ter acesso à graça plena de Deus. De sorte que a fé e a graça não anulam a lei, mas torna exequível por meio de Cristo.
O que depreende do texto é que nada pode substituir a justificação que procede da fé em Cristo e na Sua obra substitutiva e inclusiva na cruz. Ele não só é o justificador, como também e a própria justificação, posto que apenas Ele foi capaz de cumprir a lei, tornando o justificador dos injustos.
Ef. 1: 6 e 7 - "... para o louvor da glória da sua graça, a qual nos deu gratuitamente no Amado; em quem temos a redenção pelo seu sangue, a redenção dos nossos delitos, segundo as riquezas da sua graça ..." Este é o aspecto que mais incomoda o homem que ainda persiste em sua natureza pecaminosa sem ser destruída na cruz: a gratuidade da justificação. É pela graça que nossos pecados são redimidos diante de Deus. Entretanto, o homem, possuidor da "Síndrome de Lúcifer" vive na suposição que pode traçar o seu próprio projeto de retorno ao paraíso perdido. Ledo engano, pois ninguém pode chegar ao Pai se não for por meio de Cristo, como também ninguém pode chegar a Cristo se o Pai não lho trouxer conforme Jo. 14: 6 e Jo. 6:44, respectivamente.

Nenhum comentário: