quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

OS NEPHILIM I

Ao observar com mais acuidade, os continentes e ilhas do planeta Terra percebem-se muitos sinais e registros de um tempo esquecido no tempo. Não há dúvidas que tais marcas indicam fatos e acontecimentos nas remotas eras passadas. São assinaturas de acontecimentos dados e ocorridos em determinados momentos históricos. Alguns destes fatos são explicáveis pela racionalidade humana com base na ciência, outros explicáveis pela dedução do senso comum, outros porém, inexplicáveis por todos os canais. Muito já se escreveu e se especulou sobre estes registros e evidências, mas nada está provado, são meras hipóteses. A verdade é que sobre a Terra se desdobraram muitos acontecimentos que não estão devidamente claros.
Em seu livro "Eram Os Deuses Astronautas", Erich Von Dänick explica as pirâmides do Egito, como sendo o resultado da engenharia de seres extra-terrestres que povoaram a Terra nos primevos dos tempos. Muitos dos argumentos de Von Dänick já foram contestados e explicados, outros ainda não foram satisfatoriamente esclarecidos. A partir daí surgiu a "Teoria do Astronauta Antigo", a qual pretende afirmar que a Terra foi habitada por seres vindos do espaço exterior antes dos homens. Alegam alguns que tais alienígenas tenham sido os arquitetos da própria raça humana.
A humanidade sempre teve uma grande inclinação para o inexplicável e para o supranatural e nebuloso. Desde os tempos imemoriáveis que se têm registros de fatos estranhos à esfera natural do homem e do mundo terrestre.
Na Cordilheira dos Andes há grandes ranhuras nas rochas, as quais formam figuras de animais, aves e formas geométricas estranhas. Quando vistos do plano horizontal, não parecem significar muita coisa, a não ser a indagação sobre quem gastaria tanto tempo esculpindo rochas duras há mais de 3.000 metros de altitude. Porém, quando vistos do alto, a bordo de um avião, por exemplo, tomam formas e sugerem indicações ou marcações para algo ou alguém. Alguns, afirmam que serviram de aeroportos ou rotas de pouso para naves vindas do espaço exterior. Outros dão outras explicações religiosas ligadas aos cultos dos povos antigos daquela região andina.
Na Grã-Bretanha encontram-se grandes rochas dispostas em círculos razoavelmente organizados denominadas de Stonehangs. No Egito, as pirâmides, que embora afirma-se que serviam de tumbas aos faraós, contêm muitos dados matemáticos e astronômicos. Para alguns, eram indicações de rotas ou marcadores de pouso e decolagem de aeronaves alienígenas. Na Ilha da Páscoa, rostos gigantescos esculpidos em rochas vulcânicas dispostos organizadamente em torno da ilha. Ninguém sabe por quem e para que foram ali colocados. As pirâmides da América Central, supostamente utilizadas pelos astecas como observatórios astronômicos ou templos de adoração aos seus deuses, também sugerem muitas coisas ligadas ao mundo exterior à Terra.
G.H. Pember, teólogo reformado, anotou em seu diário de viagem ao Egito algo muito curioso: "Quem já se encontrou em meio às sombras das elevadas colunas do grande Hypostyle Hall no vasto templo de Luxor, facilmente se esquecerá da beleza da vista, ao olhar através do enorme átrio de Amenhotep III e for capturado pelo brilho do sol que agora se põe por detrás das Colinas Theban, irradiando com brilho dourado os potentes pilares das colunatas. Entretanto, a grandeza do átrio exterior é de menor interesse do que a história descrita nas paredes daquele cômodo perto do santuário denominado "Sala de Parto". Os relevos contam como o deus Amon-Ra tomou sobre si a forma de Thothmes IV e visitou sua rainha Mutemua. Ela, pensando que o visitante era seu marido real, o recebeu em sua recâmara. Antes de deixá-la o tal deus se revelou e lhe disse que o filho daquela união deveria ser chamado de Amenhotep."
Há muitos outros relatos ao redor do mundo de encontros noturnos em recâmaras escondidas entre seres sobrenaturais e homens. Há também muitas opiniões sobre este assunto, por exemplo, alguns afirmam que tais relatos de cruzamento entre "deuses" e homens eram meios de criar no povo simples o temor e o respeito à origem divina dos reis e rainhas. Nada mais eram que uma maneira de manter o controle e a dominação por parte das classes sacerdotal e da realeza sobre as massas ignorantes.
Porém, seriam estes relatos meras invencionices, ou teriam eles em seu bojo uma indicação para algo bem mais sórdido e perigoso para a humanidade?
No capítulo 6 do livro de Gênesis, há um relato, no qual o próprio Deus acha-se diante de uma grande promiscuidade entre uns certos "filhos de Deus" e as "filhas de Adão". Destas uniões obscuras, surgiram os Nefilim, homens ou semi-deuses poderosos e de fama, naquele tempo, povoando a Terra. As mais ricas fontes sobre estes seres são as mitologias sumeriana, babilônica, egípcia, grega, romana.
Neste estudo apenas foram levantadas as questões atinentes a esse assunto. Nos estudos seguintes, serão mostrados alguns argumentos e objeções a eles.

Nenhum comentário: